Liberation Festival: Carcass, banda inglesa de metal extremo, promete aproveitar bem o pouco tempo sobre o palco

O guitarrista Bill Steer fala também sobre Liverpool, disco novo e veganismo

Paulo Cavalcanti Publicado em 24/06/2017, às 11h37

Carcass
Divulgação

Umas das principais atrações do Liberation Festival será a inglesa Carcass. Formada em 1985, a banda toca metal extremo e frequentemente é colocada em categorias como grindcore, death metal, melodic death e death 'n' roll.

Em entrevista à Rolling Stone Brasil, o guitarrista e fundador do grupo, Bill Steer, disse que o Carcass não trará nada específico para esta apresentação. “Queremos aproveitar o evento e tocar da melhor maneira possível. Na verdade, só seguimos nosso instinto. Nosso tempo no palco não será tão extenso. Então, vamos tocar com a maior velocidade possível as canções que forem surgindo na nossa cabeça”, conta ele, justificando a ausência de qualquer previsão no que diz respeito a setlist.

O mais recente álbum do Carcass é Surgical Steel (2013). O músico diz que, no geral, fazer o disco foi uma boa experiência. “Escrever e ensaiar para este trabalho foi um processo bem divertido e espontâneo. Já a gravação levou mais tempo. O produtor Colin Richardson nos deixou antes de fazermos a mixagem. Assim, Andy Sneap entrou na jogada e salvou o disco. Eu, pessoalmente, gosto da maior parte das canções. Na verdade, tocamos a maior parte delas nos shows que estamos fazendo. E como gravamos muito material e resolvemos usar algumas sobras para o EP Surgical Remission/Surplus Steel, que saiu em 2014”.

A produção não parou por aí e já existem várias canções engatilhadas para o próximo álbum. “Mas nós três, Jeff, Dan e eu, ainda estamos trabalhando nos arranjos”, explica Steer. “Ainda vai levar um tempo até que a gente comece efetivamente a gravar.”

O Carcass é sempre citado como uma banda da icônica cidade de Liverpool, berço dos Beatles. Mas Steer esclarece a verdadeira procedência deles. “Sim, temos o nome ligado a Liverpool e isso acontece há muito tempo. Isso é legal, dá status. Mas, para falar a verdade, nenhum de nós veio da cidade. Acho que a conexão existe pelo fato de termos formado a banda nos minúsculos subúrbios do norte da Inglaterra, e Liverpool era a cidade mais próxima”.

A banda também é conhecida pelas letras radicais, mas nem todos sabem que Bill Steer e o baixista e vocalista Jeff Walker são vegetarianos. “Jeff e eu éramos veganos em nossos tempos de crianças. Obviamente, isso foi há muito, muito tempo atrás!”, brinca “Desde então, não comemos carne ou peixe. Já não é mais uma questão política – é apenas algo pessoal. A maior parte dos meus amigos e de Jeff comem de tudo. Eu, pessoalmente, não julgo ninguém pelo o que a pessoa come ou deixa de comer.”