Lily Allen se diz pronta para abandonar a música

Cantora escreveu, e depois retirou do ar, post para avisar que não pretende lançar novos álbuns

Da redação Publicado em 24/09/2009, às 12h36

Lily Allen alegou ontem, em seu recém-deletado blog para combater a pirataria, estar preparada para se despedir da indústria fonográfica. A cantora britânica, que já vinha dando pistas sobre a falta de entusiasmo com a carreira musical, disse não ter renovado contrato com a EMI, sua gravadora.

"Só para vocês saberem, não renegociei meu contrato e não tenho planos de fazer um novo álbum", escreveu. O post foi reproduzido pelo site da revista NME, mas não estava mais disponível na manhã desta quinta, 24. No Twitter, Allen anunciou a decisão de deletar o blog. "O abuso estava demais", explicou.

Se o anúncio vingar, os dois shows vistos, na semana passada, pelos brasileiros poderão estar entre os últimos de Allen. "Meus dias de tirar dinheiro da indústria fonográfica já acabaram. Não estou aqui para lucrar da legislação [sobre direitos autorais, proposta pelo governo e similar àquela aprovada recentemente na França]".

Se pretendia abandonar a carreira, por que criou o blog em primeiro lugar? Ela responde: "Continuo, contudo, fã da nova música, então esta não é uma cruzada egoísta".

Sobram, para o futuro, relançamentos de material já gravado, "o que não será muito", reforça Allen, que tem dois álbuns para pôr em sua conta: Alright, Still (2006) e It's Not Me, It's You (2009).

O blog It's Not Alright ("não está tudo bem") foi criado para compilar respostas de músicos simpáticos à bronca de Allen contra os defensores da troca gratuita de arquivos. Entre os simpatizantes, Elton John, James Blunt (que chamou Lily de "nossa líder"), Mark Ronson e Matthew Bellamy, frontman do Muse.

Ao mesmo tempo em que ameaça largar a música, a jovem de 24 anos disse, recentemente, que poderia protagonizar um espetáculo no West End (equivalente londrino a Broadway). A investida como atriz estaria programada para Reasons To Be Pretty, do dramaturgo e cineasta norte-americano Neil LaBute. A peça, que estreou em circuito off-Broadway no ano passado, destrincha de um mundo que julga as mulheres com base na aparência física.