Chester Bennington, vocalista do Linkin Park, morre aos 41 anos

Segundo o site norte-americano TMZ, ele cometeu suicídio; corpo foi encontrado nesta quinta, 20

Redação Publicado em 20/07/2017, às 15h15 - Atualizado às 20h05

Chester Bennington, vocalista do Linkin Park
Jordan Strauss/Invision for MTV/AP

Chester Bennington, vocalista e líder do Linkin Park, morreu nesta quinta-feira, 20. De acordo com informações do site TMZ, o músico cometeu suicídio.

Segundo o veículo, o cantor se enforcou em uma residência privada na cidade de Palos Verdes Estates, no condado norte-americano de Los Angeles. O corpo de Bennington foi encontrado na manhã desta quinta.

LEIA TAMBÉM

[Lista] A potência vocal de Chester Bennington em dez músicas do Linkin Park

“Chocado e arrasado, mas é verdade”, escreveu Mike Shinoda sobre a morte de Bennington

Em 2006, Chester Bennington cantou no Grammy com Paul McCartney e Jay-Z; relembre

O vocalista tinha 41 anos e seis filhos, de dois casamentos diferentes. De acordo com o TMZ, Bennington já havia afirmado considerar cometer suicídio por ter sido abusado sexualmente por um homem quando era criança.

Bennington era amigo de Chris Cornell, que cometeu suicídio em maio, e chegou inclusive a cantar “Hallelujah”, clássico de Leonard Cohen, no funeral do vocalista de Soundgarden e Audioslave,. Nesta quinta, Cornell completaria 53 anos.

Carreira

Bennington nasceu em 20 de março de 1976, na cidade norte-americana de Phoenix. Filho de um policial, ele teve uma infância problemática. O cantor foi molestado por um amigo mais velho quando tinha sete ou oito anos. “Isso destruiu a minha auto-confiança”, disse, em uma entrevista ao Metal Hammer. “Como a maioria das pessoas, eu estava com muito medo de dizer alguma coisa. Eu não queria que pensassem que eu era gay ou que estava mentindo. Foi uma experiência horrível.”

Quando ele tinha 11 anos, os pais dele se divorciaram e ele foi forçado a ir morar com o pai. Depois, o artista passou a ser usuário de drogas, usando ópio, anfetamina, maconha e cocaína, além de também ter problemas com o álcool.

Bennington começou a carreira musical em 1993, como vocalista do Grey Daze, banda com a qual gravou dois discos, Wake Me e No Sun Today.

Em 1999, passou a integrar o Linkin Park. A banda havia sido formada com o nome de Xero, em Agoura Hills, na Califórnia, em 1996, pelo guitarrista e também vocalista Mike Shinoda, o guitarrista Brad Delson, o baixista Dave Farrell, o baterista Rob Bourdon e o DJ Joe Hahn. Depois que Bennington assumiu o posto de Mark Wakefield como vocalista, o grupo encontrou a formação inicial.

O Linkin Park teve grande sucesso com o disco de estreia, Hybrid Theory, lançado em 2000. A mistura de rap, metal e música eletrônica teve mais de 10 milhões de cópias vendidas, e rendeu ao grupo, o segundo lugar na parada de álbuns norte-americana.

Ao longo dos anos, o Linkin Park se mostrou flexível, focando, por vezes, na música eletrônica, e, por outras, no rock. O Linkin Park fez uma parceria até mesmo com o rapper Jay-Z para o EP Collision Course (2004) e, com Steve Aoki, para o remix de A Light That Never Comes (2014). O disco mais recente do grupo, One More Light, foi lançado no último mês de maio.

Os vocais intensos de Bennington faziam um contraponto adequado com o rap cantado pelo também vocalista Mike Shinoda nas músicas de nu-metal do Linkin Park, como “In The End” e “One Step Closer”. O hit mais recente do grupo, “Heavy”, uma parceria com a cantora Kiiara, alcançou o segundo lugar da parada de rock norte-americana e o 11º no Top 40 do país inteiro.

Bennington participou dos sete discos de estúdio do grupo, Hybrid Theory (2000), Meteora (2003), Minutes to Midnight (2007), A Thousand Suns (2010), Living Things (2012), The Hunting Party (2014) e, o mais recente, One More Light, que saiu em maio.

Além de trabalhar com o Linkin Park, ele também foi vocalista do Stone Temple Pilots, entre 2013 e 2015 (substituindo Scott Weiland), e dos supergrupos Dead by Sunday e Kings of Chaos.