Live Nation lança fundo de US$ 10 milhões para ajudar equipes dos bastidores das turnês durante crise do coronavírus

A companhia auxiliará os funcionários que foram afetados financeiramente pelo cancelamento dos shows

Emily Zemler, Rolling Stone EUA Publicado em 01/04/2020, às 11h18

None
Palco (Foto: Rolling Stone / Scott Roth / Invision / AP / Shutterstock)

A Live Nation anunciou o lançamento da Crew Nation, um fundo de US$ 10 milhões para beneficiar equipes de funcionários que trabalham nos bastidores de turnês durante a crise do coronavírus. 

O fundo foi organizado pela organização sem fins lucrativos Music Forward Fondation após a companhia cancelar todos os shows de grande escala ao redor do mundo até o mês de abril.

A companhia vai contribuir inicialmente com US$5 milhões para ajudar os profissionais dos mais diversos países. Em seguida, a empresa vai arrecadar mais US$ 5 milhões por meio de doações de artistas e fãs, que também podem contribuir pelas compras de merchandising.

+++ LEIA MAIS: Guitarrista do Slayer e Exodus, Gary Holt testa positivo para o coronavírus

“A música ao vivo inspira milhões ao redor do mundo, mas os shows que todos nós curtimos não seriam possíveis sem os incontáveis trabalhadores nos bastidores. Conforme o covid-19 pausa as apresentações, nós queremos estender uma mão para as equipes de turnês que dependem dos shows para ganhar a vida. Crew Nation foi criada justamente para isso”, disse a Live Nation em um comunicado oficial. 

Ela completou: “Os integrantes das equipes são a espinha dorsal da indústria da música e nós esperamos que você se junte a nós para apoiá-los durante esse período temporário até nós conseguirmos novamente reunir milhões de pessoas ao redor do mundo com o poder da música”.

+++ LEIA MAIS: Astro de X-Men, James McAvoy doa R$ 1,76 milhões para comprar máscaras para médicos que lutam contra coronavírus

A lista de beneficiados inclui “gerentes e produtores de turnês, engenheiros de som, técnicos, diretores / designers de iluminação, equipes de efeitos especiais, carpinteiros e muito mais”. E cada um deles será selecionado com base na necessidade de auxílio considerando aqueles que já tiveram a renda afetada pelos cancelamentos dos shows.

Michael Rapino, CEO da Live Nation, compartilhou em um post no Twitter que contribuiu com US$ 250 mil para o fundo e escreveu: Shows não seriam possíveis sem as equipes de bastidores trabalhando para dar vida a eles”.


+++ TRAVIS SCOTT: O HYPE EM TORNO DELE REALMENTE FAZ SENTIDO?