Banda Esperanza explora a leveza pop sem amarras no disco Z

Após trocar de nome e integrantes, trio paranaense renasce pautado na tranquilidade

Thiago Neves Publicado em 15/08/2015, às 11h06

Trio paranaense Esperanza.
Divulgação/ Tessalia Serighelli

A história do trio paranaense Esperanza é repleta de reinvenções. Com Z, terceiro álbum da banda, não poderia ser diferente. Após o reflexivo autointitulado disco, lançado em 2013, o grupo buscou uma certa “energia leve” no novo trabalho. “A sonoridade de Z foi consequência de um processo mais orgânico, não tivemos pressa nesse trabalho. As decisões foram tomadas com calma, quando surgiam alternativas que nos agradavam”, conta Artur Roman.

Gal Costa fará turnê interpretando o repertório de Lupicínio Rodrigues.

Após trocar de nome (a banda se chamava Sabonetes até 2013), de formação, com a saída do baterista Alexandre Guedes, e de sonoridade, o trio do Paraná manteve a relação com o produtor Alexandre Kassin. “Ele foi parte fundamental desse projeto”, ressalta Roman. “O que me chamou atenção foi a capacidade dele de entender como a banda trabalha. Nós três queríamos fazer as coisas com tranquilidade e o Kassin respeitou isso.”

Galeria: a música brasileira contada em documentários.

“Ser músico não é uma escolha, pelo menos para mim. Quem faz isso é porque ama, então, não vejo motivos para ficar limitando as vontades. Z é uma grande consequência, de muitas coisas, de uma confusão muito grande e muito boa!”, ressalta o vocalista da banda.

Emicida expõe a luta de classes e o preconceito racial no impactante clipe de “Boa Esperança”.

Para o álbum foram escritas 30 canções, depois uma seleção, 12 delas foram levadas ao estúdio. “Quando entramos para gravar as músicas estavam apenas em voz e violão, foi no estúdio que demos uma roupagem mais pop. A sugestão foi do Kassin, e caiu como uma luva no momento em que vivíamos”.

Sobe o Som: 10 novos artistas nacionais que você deve conhecer.

Mais maduros, Artur Roman, Wonder Bettin e João Davi, apresentam em Z a capacidade de reinvenção admirável, trazendo ao público um disco que não tem vergonha de ser leve e divertido. “Acho que nesses últimos anos aprendemos a ser mais serenos, menos urgente, respeitando a nossa vontade como banda”, reflete Roman.