Lojas britânicas não venderão mais os discos do Lostprophets após acusações de pedofilia e estupro

Em julgamento, Ian Watkins se declarou culpado das onze acusações de pedofilia e admitiu que tentou estuprar um bebê de um ano

Redação Publicado em 29/11/2013, às 11h38 - Atualizado às 11h40

Ian Watkins, da banda Lostprophets
AP

A cadeira de lojas HMV não irá mais vender os discos da banda Lostprophets, em resposta ao julgamento do vocalista Ian Watkins, acusado de pedofilia e estupro. A revelação foi feita por um porta-voz da rede varejista em entrevista ao semanário musical britânico NME.

Vocalista do Lostprophets nega acusações de pedofilia.

Nenhum dos cinco discos da banda, que esteve em atividade desde 1997. O álbum de estreia foi Thefakesoundofprogress, lançado em 2000, e o último trabalho do grupo, Weapons, saiu em 2012.

Nesta semana, Watkins se declarou culpado das onze acusações de pedofilia e admitiu que tentou estuprar um bebê de um ano. O músico foi preso no ano passado e, em outubro, a banda se desfez.

Dentre os casos, ele é acusado de ter incentivado uma fã a abusar dos próprios filhos durante um chat virtual com câmera. Anteriormente, ele tinha se declarado inocente, mas mudou sua declaração de última hora esta semana, antes do julgamento.

Watkins também admitiu a posse de material de pornografia infantil. A sentença dele será anunciada no dia 18 de dezembro.