Lollapalooza 2013: show do Copacabana Club tem discurso político

A vocalista Cacá pediu “alguém que nos represente que não seja racista, homofóbico e que goste das mulheres” durante o hit “Just Do It”

Stella Rodrigues Publicado em 29/03/2013, às 17h24 - Atualizado em 02/04/2013, às 19h44

Copacabana Club faz discurso político no show do Lollapalooza
Divulgação

O Copacabana Club apresentou sua nova formação – que agora traz Carlos Cafareli no baixo e André França na guitarra - e faixas novas durante o show de uma hora no Lollapalooza.

Lollapalooza 2013: leia entrevistas com alguns dos principais artistas internacionais do festival.

O destaque da performance foi durante o maior hit da banda, “Just Do It”, que teve direito a protesto. “Tem hora que a gente precisa fazer alguma coisa e tem hora que precisamos mudar algo”, disse a vocalista Cacá antes de tirar a blusa que tinha por cima do top e mostrar as palavras “+ amor please” e “Just Do It” pintadas no corpo.

Além disso, a banda ergueu cartaz com dizeres como “a arte nos guia”, “paz e amor entre outros” e "mais amor, menos Feliciano". Cacá emendou, em uma referência a políticos como o deputado e pastor Marco Feliciano: “Precisamos de alguém para nos representar que não seja racista, homofóbico e que goste das mulheres”.

No mais, faixas novas, como “Love is Over” (atual música de trabalho) e “Up in the Air”, e antigas, como “Backyard”, “Tropical Splash” e “Sex Sex Sex”, colocaram o público para dançar, nem que fosse para se aquecer da chuva chata e intermitente que acabou por deixar o Jockey Club ainda mais cheio de lama.

“Ei, moço. É, você mesmo. Me ajuda a descer?”. O público vibrou com o pedido de Cacá, que foi para a frente da plateia cantar a última música da performance, “Mrs. Melody”, já com a chuva dando uma trégua.