Pulse

Lollapalooza 2015: Interlagos vira Woodstock com a lisergia do Boogarins

Banda goiana foi a segunda atração do Palco Axe, neste sábado, 28, depois do Zimbra

Lucas Borges Publicado em 28/03/2015, às 15h07 - Atualizado às 15h43

Boogarins no Lollapalooza 2015

Ver Galeria
(2 imagens)

Teve cheiro de Woodstock o início de tarde do Lollapalooza, neste sábado, 28, em São Paulo. O Boogarins subiu ao palco do Palco Axe, no Autódromo de Interlagos, às 14h, uma hora depois do previsto, por causa das mudanças de última hora na programação, mas ninguém se importou.

Lollapalooza 2015: veja como fica a programação do palco Axe com o cancelamento do show de Marina and the Diamonds.

A guitarra e o sintetizador alucinógenos de Benke Ferraz, o baixo profundo de Raphael Vaz e o sorriso e canto fáceis de Dinho Almeida (também na guitarra base) eram tudo o que o público queria ver e ouvir. De nervoso, no grupo goiano que ganhou o mundo desde a estreia de As Plantas que Curam, em 2013, só havia mesmo a pesada bateria de Ynaiã Benthroldo.

Lollapalooza 2015: sem reverenciar Charlie Brown Jr., Bula encara público diminuto com show morno.

Com o festival ainda começando, a plateia não foi das mais cheias, mas quem prestigiou mostrou-se fiel e versou de cor e salteado “Deu-me os livros, abriu-me a cabeça” (trecho de “Lucifernandis”), “Eu nunca mais lembrei de mim” (de “Erre”) e “Vou tomar um doce amor” (da dançante “Doce”).

Lollapalooza 2015: primeiro dia traz St. Vincent, Alt-J e dupla Jack White e Robert Plant como destaques.

Entre um hit e outro de As Plantas que Curam, primeiro e único disco da banda, meninas de batas coloridas e rapazes de chapelões balançavam ao som da lisergia instrumental do Boogarins. A nova “Eles Não Deixam Ver o Sol” também foi tocada.

O vocalista Dinho Almeida se despediu depois de 45 minutos de show, jogando mais perfume dos anos 1960 no ar: “Não segurem a franga que hoje tem”.