Lollapalooza 2018: “Estamos mais animados do que nunca para fazer esse show, esperamos por isso há anos”, diz vocalista do Imagine Dragons

A banda, que se apresenta neste sábado, 24, também contou que “os brasileiros são pessoas de coração aberto. Nos shows, eles estão lá para aproveitar ao máximo o momento”

Igor Brunaldi Publicado em 24/03/2018, às 14h20 - Atualizado em 29/03/2018, às 13h11

Galeria - Lollapalooza 2014 - Imagine Dragons

Ver Galeria
(2 imagens)

O Imagine Dragons, que toca neste sábado, 24, no palco Onix do festival Lollapalooza, completa uma década de atividade em 2018. Mas mas esse fator não limita a crescente força que acompanha a carreira do grupo: o quarteto está entre as atrações mais aguardadas de todo o evento, ao lado de veteranos como Pearl Jam e Red Hot Chili Peppers.

O vocalista Dan Reynolds havia dito que o show na edição de 2014 do festival foi o melhor da história da banda. Em entrevista exclusiva à Rolling Stone Brasil, ele explica que “a partir do momento em que pisamos no palco, surgiu uma energia que eu nunca havia sentido antes. A união do público, a paixão, foi tudo muito mágico. É muito difícil superar aquele show, e com certeza há muita pressão para esse próximo. Estou mais ansioso para essa apresentação que para qualquer outra”. Ele continua dizendo que define um bom show como “autêntico, quando a gente se sente conectado ao público, quando nos sentimos todos como um só, e no fim, todos se sentirem satisfeitos, e sentirem que extraíram tudo que queriam da apresentação. Estar no palco é como uma cura, é catártico.”

Lollapalooza 2018: Veja como foi o show do Imagine Dragons

Sobre essa pressão de manter a qualidade da performance de 2014, Reynolds esclarece dizendo que eles estão “mais animados do que nunca, esperamos por isso há anos! Vamos subir ao palco e dar até a última gota de sangue e suor, para que os fãs tenham o melhor show possível.”

“Os brasileiros são pessoas de coração aberto. Nos shows, eles estão lá para aproveitar ao máximo o momento. É isso que me vem à cabeça quando penso no Brasil: pessoas aberta, receptivas e uma cultura muito bonita”, diz o músico. E é impossível não enxergar a reciprocidade dessa admiração, basta olhar a enorme quantidade de fãs que a banda tem no país.

O grupo tem se mantido ativo em 2018, e o vocalista finaliza revelando que “temos muitas coisas planejadas para esse ano! Estamos fazendo tudo estrategicamente. Algo enorme está por vir”, provoca ele.

Leia também