Lollapalooza 2019: Foals sofre para criar show climático sob sol forte, mas vence a batalha

Banda de Oxford, na Inglaterra, se esforça para criar nuances e mostrar canções climáticas no festival

Pedro Antunes Publicado em 05/04/2019, às 17h00

None
Yannis Philippakis, do Foals, no Lollapalooza 2019 (Foto: Camila Cara)

Yannis Phillipakkis grita ao microfone. O Foals se aproxima de um rock mais visceral, gutural quase. Barulheira, ruídos, tudo que há de mais pesado e obscuro no som da banda. Eles sofrem, contudo, em estabelecer o clima necessário para os momentos mais sombrios debaixo de um sol poderoso, embora peneirado por nuvens.

Sob tanta luz, neste fim de tarde de sexta-feira, 5, no Autódromo de Interlagos, no primeiro dia de Lollapalooza, o Foals precisa suar mais, literalmente, para ser capaz de recriar no palco os nuances da banda em seus até agora cinco discos.

+++ Tudo sobre o Lollapalooza 2019: shows imperdíveis, revelações e dicas de sobrevivência

Banda que nunca fica parada, o Foals é um expoente de destaque de um momento pós-garage rock dos anos 2000, com temáticas que extrapolam a normalidade e sempre propõem o inusitado sonoro.

Por vezes cheia de guturalidade, noutras, com delicadeza, o Foals cria uma apresentação contagiante ao entregar vibrações sonoras que não caem na morosa normalidade. São canções explosivas, como “My Number”, “Spanish Sahara”, “Inhaler” e “What Went Down”, que vão do céu ao inferno, do caos à paz, em pouco mais de três minutos.

Sim, a luz do fim de tarde atrapalhou o Foals, mas com canções poderosas, eles foram capazes de estabelecer uma conexão climática com quem estava a fim de vê-los. Ainda bem.