Lollapalooza 2019: Letrux relembra Lula e Marielle Franco em seu show

Com seu show mais político, Letrux performou suas canções em meio a reverências ao ex-presidente e Marielle Franco

Nicolle Cabral Publicado em 07/04/2019, às 15h42

None
Letrux no Lollapalooza 2019 (Foto: Mila Maluhy)

A cantora e compositora, Letícia Novaes, trouxe para o último dia do Lollapalooza Brasil, o seu espetáculo “Letrux em Noite de Climão”.

A artista brasileira e independente entregou ao público do festival um momento catártico com a sua poesia, perfomances e ativismo político mesclando suas potentes canções a celebração dos movimentos sociais, como a luta contra a transfobia, o feminismo e a atual situação política do país.

Durante sua apresentação, mencionou um ano de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A plateia em coro gritou “Lula Livre”.

"Hoje faz um ano que o Lula foi preso e nós sabemos porquê fizeram isso com ele. Não podemos apoiar quem está lá agora. Fora, Bolsonaro", disse a cantora. 

O seu show, assim como o disco, chega aos olhos e aos ouvidos com uma ambientação de dramaturgia. As suas canções ganham ainda mais força quando sobem ao palco na voz de Letícia.

O conjunto visual da banda, marcada pela presença intensa da cor vermelha, dá o tom dramático ao show.

Teatral, romântica e íntegra, celebra o feminino, a liberdade e o sexual de forma muito particular.

A artista cantou seus maiores sucessos do disco como Ninguém Perguntou Por Você, “Que estrago”, “Flerte Revival” e “Noite Estranha, Geral Sentiu”.

Entre as canções, Letícia fez uma sútil crítica ao festival, devido à uma denúncia reportada pelo jornal Folha de S. Paulo na sexta, 6, ao apurar que pessoas em situação de rua receberam cinquenta reais para realizarem a montagem dos palcos.

“Queria agradecer a quem ajudou a erguer cada centímetro, quem colocou cada parafuso [deste palco].” disse a artista. “Viver numa sociedade capitalista é confuso”, completou.

Ao encerrar o seu show, trouxe às mãos uma placa com o nome da ex-vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio de Janeiro.

“Para nunca esquecermos”, concluiu a artista.