Lollapalooza 2019: Portugal. The Man chama índio para discursar e critica medidas do governo

Após Scalene e Fever 333, a banda engrossa o coro de protestos predominante no festival

Yolanda Reis Publicado em 05/04/2019, às 16h30

None
Portugal. The Man no Lollapalooza 2019 (Foto: Mila Maluhy)

Portugal. The Man começou o show desta sexta, 5, no Lollapalooza Brasil, fazendo uma homenagem ao país e dando a palavra para o mais antigo povo brasileiro: os índios.

"Nós, índios, somos 5% da população mundial e protegemos 82% da biodiversidade. É muita terra [pra proteger] e pouco índio. E é pouco índio sobrevivendo. SALVEM O PLANETA! Demarcação já!" disse o porta-voz do movimento indígena de preservação de terras.

O discurso inicial marcou o tom de protesto político da apresentação, e foi seguido por um cover de "Another Brick In The Wall",  do Pink Floyd.

+++ Lollapalooza 2019: com show mais político, Scalene motiva gritos contra Bolsonaro

E não parou por aí: no telão, a banda passou mensagens como "não é sobre o que você fala, é sobre o que você faz", "se você é contra o casamento gay, case com um hétero, qualquer tipo de amor vale a pena" e "vocês estão tipo fumando maconha, se estragando e discutindo política nas festas de família? ISSO É DEMAIS!".

O setlist não contou com muitas novidades. Covers como o de Pink Floyd, T-Rex e Metallica encheram o ar, e a banda apostou mais nos clássicos como "Creep in a T-shirt", "Purple Yellow Red & Blue" do que em novas faixas, resultando em um show parecido com o que foi feito no Lollapalooza 2014.

+++ Tudo sobre o Lollapalooza 2019: shows imperdíveis, revelações e dicas de sobrevivência

"Live In The Moment" e "Feel It Still" são dois de seus maiores hits e inéditos para o povo brasileiro, sendo assim, não poderiam mesmo ficar de fora da apresentação (e eles bem sabiam, porque noutra mensagem no telão, no fim do show, estava escrito: "não se preocupem, vamos tocar 'aquela' música já, já".

Apesar disso a banda mandou bem, e enfatizou que "não há computadores aqui, somente instrumentos ao vivo",  e a multidão tomou conta do gramado, a maior do dia até então, e aguentou bem debaixo do sol, dançando e cantando com emoção todas as músicas.