Lou Reed namorou uma mulher trans: a verdadeira história de um relacionamento conturbado

O astro do rock namorou Rachel Humphreys por cerca de quatro anos durante a década de 1970

Redação Publicado em 08/05/2020, às 10h00

None
Rachel Humphreys e Lou Reed (Foto: Reprodução / Twitter)

Lou Reed foi uma das lendas do rock experimental precursor do punk ao lado do Velvet Underground. Além da música, o cantor e guitarrista também se tornou uma referência de astros do rock desconstruído e de sexualidade fluida. 

Recentemente, um usuário do Twitter compartilhou uma antiga foto do músico ao lado de uma das parceiras dele, Rachel Humphreys, uma mulher transexual mexicana-americana com quem se relacionou por mais de três anos. 

+++ LEIA MAIS: Iggy Pop declama poema para Lou Reed no clipe de 'We Are The People'; assista

Segundo a Vice norte-americana, apesar da foto retratar um momento sensível e romântico, Reed não escapava do impulso de controlador comum aos homens cis, ou seja, um indivíduo que foi reconhecido pelo sexo masculino no nascimento e se identifica como homem.

Em 1973, Reedconheceu Rachel em uma das noites do lendário clube Max’s Kansas City. E, de acordo com Morgan M. Page, apresentador do podcast One from the Vaults, Rachel inspirou alguns dos maiores solos de guitarra do músico, como “Coney Island Baby” e “Street Hassle”. 

O casal até chegou a fazer uma festa para comemorar os três anos de relacionamento, que contou com bolo característico de casamentos, segundo Aidan Levy, autor da biografia Dirty Blvd. Contudo, a relação chegou ao fim quando Rachel revelou o desejo por fazer uma cirúrgia nos membros inferiores, em 1978.

+++ LEIA MAIS: Lou Reed: nova biografia relata como um sujeito temperamental definiu os limites do rock por décadas

E é possível assumir que Rachel foi a responsável pelo término na canção “Street Hassle”, em que Reedcanta: “O amor se foi / Tirou os anéis do meus dedos e não há nada a dizer”. 

Rachel, porém, basicamente ficou conhecida por causa do relacionamento com o músico,  não existindo muitos registros da vida dela ante sou depois do namoro. Com o término, ela deixou de existir para história, exceto quando fizeram a documentação da morte dela no Saint Clare’s Hospital, em Nova York, em 1990.

Reed nunca mais mencionou a parceria e chegou diminuir o próprio trabalho feito na época: “Todos os discos que eu lançar depois disso serão coisas que eu quero lançar. Sem besteira, Sem mais viagem de bicha viciada de cabelos tingidos”.


+++ MINHA PLAYLIST.... FRANCISCO, EL HOMBRE | ROLLING STONE BRASIL