Luedji Luna entrevista Anaiis, Anaiis entrevista Luedji Luna - e, juntas, apresentam-se no Cultura Inglesa Festival [ENTREVISTA]

Pocket show da brasileira Luedji Luna com anaiis, artista franco-senegalesa baseada em Londres, acontece neste sábado, 20, a partir das 19 horas

Isabela Guiduci | @isabelaguiduci Publicado em 20/03/2021, às 12h00

None
Anaiis e Luedji Luna (Foto: Alexandra Waespi | Foto: Helen Salomão)

Um dos principais eventos musicais que acontece na extensa programação do Cultura Inglesa Festival é o pocket show das duas incríveis cantoras, artistas e compositoras: a brasileira Luedji Luna e a artista franco-senegalesa baseada em Londres anaiis.

Neste sábado, 20 de março, às 19h, Luedji Luna convida anaiis para um pocket show ao vivo, em que a cantora brasileira toca o repertório e apresenta o projeto de colaboração internacional com anaiis.

+++LEIA MAIS: Com Caetano Veloso, Cultura Inglesa anuncia edição online para o 24º festival, além de programação artística

Para entrar no clima da apresentação, em entrevista à Rolling Stone Brasil, as artistas refletiram sobre a carreira durante a quarentena, as referências musicais e culturais, e a importância do empoderamento enquanto mulheres pretas.

O 'match' de Luedji Luna e anaiis é magnífico, e ambas compartilham referências artísticas, culturais, visuais, etc. O pocket show promete ser grandioso e fantástico, e você está convidado para apreciar esse mágico momento - informações sobre como acessar à apresentação estão disponíveis ao final do texto.

+++LEIA MAIS: Melim traz positividade e mescla pop, reggae e folk no disco Amores e Flores: 'Nos expressamos musicalmente' [ENTREVISTA]


Luedji Luna e Anaiis

Grande nome do cenário atual da música brasileira, Luedji Luna é uma cantora e compositora nascida no Cabula e criada em Brotas, bairros de Salvador. Aos 17 anos, em 2004, a artista começou a compor, mas só a partir de 2011 deu início a carreira musical ao passar a se apresentar nos principais palcos de Salvador. Na carreira, conta com dois discos potentes e encantadores: Um Corpo no Mundo (2017); e Bom Mesmo É Estar Debaixo D'Água (2020).

As músicas da cantora reforçam e retratam a importância do empoderamento feminino, especialmente da mulher preta, além de apresentarem lirismos sobre religiões de matriz africana, ervas e costumes brasileiros oriundo da cultura africana. Com uma sonoridade marcante e uma voz incrível, Luedji Luna faz história com canções repletas de significados, urgências, profundidade e sentimentos. 

+++LEIA MAIS: Os mergulhos interiores e criativos de Anelis Assumpção: da composição de Taurina à reinvenção durante a pandemia de coronavírus [ENTREVISTA]

Anaiis é uma artista franco-senegalesa que já viveu em diversos lugares ao redor do mundo - Toulous, Dublin, Dakar, Oakland, até se mudar para Londres para seguir a carreira musical. Com uma voz espetacular e um talento incrível, a artista é uma cantora fascinante, que a partir da música, busca esperança em meio à injustiça e reflete sobre a figura feminina como força de cura e empoderamento da mulher. 

A compositora também morou durante um mês em Salvador, onde pôde "reacender a herança senegalesa com o florescimento da cultura afro-brasileira", como explica na biografia do Spotify. Na carreira, conta com um disco de estúdio, o impecável darkness at play, lançado em 18 de janeiro de 2019.

+++ LEIA MAIS: Lagum, Los Hermanos, Anavitória e mais: como os artistas ajudam produtores, técnicos de som e equipe

Confira o papo de Luedji Luna e anaiis sobre quarentena, cultura, referências, música e empoderamento:


+++ SIGA NOSSO SPOTIFY - conheça as melhores seleções musicais e novidades mais quentes


Anaiis entrevista Luedji Luna e Luedji Luna entrevista

 

Anaiis entrevista Luedji Luna 

Anaiis: Como está sua quarentena? Para você, qual é a pior parte de estar em quarentena devido à pandemia? Como é sua rotina criativa em quarentena?

Luedji Luna: Na verdade, não me senti tão criativa durante a quarentena. Concentrei-me em terminar meu segundo álbum e criar meu primeiro filho. Para mim, o pior é não poder fazer shows.

A: Como você se vê enquanto artista após a quarentena? Como é o processo de composição de músicas para você em quarentena? 

L: Visto que não consigo cantar muito, me vejo fazendo outras coisas como atuar e escrever. Acabei de lançar meu novo disco [Bom Mesmo É Estar Debaixo D’Água, lançado em 14 de outubro de 2020], então não penso que seja o momento de pensar em um novo.

A: Como a cultura brasileira é representada em sua música? Que elementos da sua cultura a inspiram como artista?

L: A música brasileira foi uma escola para mim, principalmente a música baiana e seus ritmos africanos. Penso que essa é a maior influência na minha música.

A: Você tem um discurso empoderador na sua música. Como você acha que seu discurso pode influenciar sua carreira? E como você acha que isso influencia seus seguidores?

L: Penso que a música é uma plataforma para mudanças. Como mulher preta, é sobre minha própria sobrevivência usar esse poder para mudar as coisas e impactar a vida de outras mulheres pretas.

+++LEIA MAIS: Filho e netos de Gilberto Gil: como Gilsons se tornou acalanto em tempos de crise política e de saúde


Luedji Luna entrevista Anaiis

Luedji Luna: Como está sua quarentena? Para você, qual é a pior parte de estar em quarentena devido à pandemia? Como é sua rotina criativa em quarentena?

Anaiis: A quarentena não foi fácil, mas me forçou a fazer as pazes com o estado atual do mundo. Tive que aprender a ter mais aceitação e paciência comigo mesma e com minhas expectativas. Penso que a pior parte, para mim, foi não poder viajar. Amo viajar e estive no Brasil um pouco antes de tudo isso começar, tinha planos de voltar, mas agora, quem sabe quando será possível.

Minha rotina criativa realmente floresceu durante este tempo, tenho mais tempo em minhas mãos e pude explorar novos meios e fazer mais pesquisas. Também tive tempo para pensar em boas músicas e composições!

L: Você conhece a música brasileira ou há algum artista brasileiro que realmente goste? Quais artistas?

A: Absolutamente amo música brasileira, essa foi uma grande parte da razão pela qual escolhi vir para o Brasil, na verdade, escolher Salvador para ser minha residência. Sou uma grande fã de você, Luedji Luna, é claro. Também adoro artistas clássicos como Gilberto Gil, Caetano Veloso, Milton Nascimento, Djavan, Os Tincoãs, mas também adoro Liniker, Livia Nery e a incrível banda chamada akhi huna.

L: Como você acha que sua música está conectada ao Festival Cultura Inglesa? E como você acha que nossa música está conectada?

A: Tive uma educação global ao passear por diferentes continentes, por isso, acredito que minha música é muito fluida e inspirada por muitas culturas diferentes. No entanto, embora o inglês não seja minha língua materna, escrevi a maioria das minhas músicas neste idioma. Penso que usei o idioma para criar uma ponte entre todas as diferentes culturas das quais fiz parte. Agora estou cantando mais em francês também!

Com você Luedji, encontro muitas semelhanças em nosso trabalho. Especialmente a nossa intenção, o tipo de temas sobre os quais falamos em nossa música e nossos visuais. Ambas estamos muito centradas no empoderamento da mulher preta e nosso trabalho é muito dedicado às nossas comunidades. Realmente me identifico com as mensagens das músicas.

Além disso, também sinto que você está muito aberta para brincar com gênero e experimentar com som, o que é uma grande parte de como gosto de fazer com minha música.

L: Como você acha que representa sua cultura enquanto artista? Que elementos de sua cultura o inspiram em seu trabalho?

A: Penso que minha formação e história pessoal influenciam fundamentalmente em tudo que faço e, mais importante, meu olhar para o mundo. Minha abordagem no meu trabalho está profundamente enraizada nas culturas das quais fiz parte e que realmente importam para mim. Às vezes, isso se manifesta em sons específicos, mas também pode vir por lirismo, temas ou até mesmo direção de arte quando se trata de visuais e elementos que acompanham a música.

Sempre fui realmente apaixonada pelas culturas negras, e pude vivenciá-las em suas diferentes formas. Sempre me fascinou como ela permanece profunda, rica e bela. Quero meu trabalho como uma demonstração disso e quero ser uma voz adicional para o movimento geral que estamos criando no mundo enquanto pessoas pretas em toda a diáspora.

+++LEIA MAIS: Caetano Veloso critica Bolsonaro em primeira live de quarentena: ‘São situações muito graves que nós, os brasileiros, estamos enfrentando’


Cultura Inglesa Festival

A 24ª edição do Cultura Inglesa Festival ganhou um formato totalmente inovador devido aos desafios impostos pela pandemia do coronavírus. Iniciado no dia 6 de março, o evento, pela primeira vez inteiramente digital, terá mais de 20 dias de programação com muita arte e cultura, e se encerra no dia 28 deste mês.

Totalmente recriada para um ambiente digital, a edição acontecerá em uma plataforma virtual inovadora - e, vale lembrar, o festival é gratuito, é preciso apenas se cadastrar na plataforma. O pocket show de Luedji Luna e anaiis acontece neste sábado, 20 de março, a partir das 19h.

+++LEIA MAIS: Museus da quarentena: Como a arte é afetada pelo isolamento social?

Serviço:

24º Cultura Inglesa Festival
O que é: Evento de cultura, arte e educação promovido há 23 anos pela Associação Cultura Inglesa São Paulo
Quando: De 6 a 28 de março
Onde: Plataforma digital do 24º Cultura Inglesa Festival 
Acesso: Gratuito 
Link para página oficial: www.culturainglesafestival.com.br 


+++ HUNGRIA HIP HOP | MELHORES DE TODOS OS TEMPOS EM 1 MINUTO | ROLLING STONE BRASIL