Pulse

Com ordem judicial, Madonna tenta impedir que itens pessoais sejam leiloados

Carta em que Tupac fala sobre término com a cantora está entre os objetos reivindicados pela pop star

Rolling Stone EUA Publicado em 19/07/2017, às 11h58 - Atualizado às 13h18

Madonna

Ver Galeria
(2 imagens)

Madonna apresentou um pedido de ordem de restrição temporária contra a casa de leilões Gotta Have It Collectibles, para impedir a venda de diversos itens pessoais. Entre eles, está a carta de 1995 em que o rapper Tupac Shakur descreve o motivo do término do relacionamento com a cantora. As informações são da agência Reuters.

LEIA TAMBÉM

Assista à Madonna homenageando David Bowie com uma cover de “Rebel Rebel”

Madonna desaprova possível cinebiografia: “Só eu posso contar minha história”

[Vídeo] Madonna divulga curta-metragem para o Dia Internacional da Luta da Mulher

Em um processo aberto na Suprema Corte do Estado de Nova York, nos Estados Unidos, a cantora requere a remoção de 20 peças do catálogo da casa. Além da carta, estão também roupas íntimas, um antigo talão de cheques, uma escova de cabelo, fotos e uma nota escrita por Madonna e endereçada ao ator John Enos, em que Whitney Houston e Sharon Stone são chamadas de “medíocres.”

Na última terça, 18, diversos itens que pertenciam à pop star foram retirados do site da Gotta Have It Collectibles, incluindo as duas cartas. Ainda assim, o leilão, com início marcado para esta quarta, 19, conta com mais de 100 peças da cantora, que incluem roupas, fotografias e letras de músicas.

Na ordem judicial, Madonna diz que não sabia que os itens colocados para leilão não estavam mais com ela. Darlene Lutz, antiga amiga e consultora de arte da cantora, teria sido a responsável por entregar as peças à casa. No requerimento, a artista afirmou que Darlene havia “traído” a “confiança” dela, “em uma tentativa de obter objetos pessoais sem consentimento.”

Em um comunicado à Reuteurs, a empresa Gotta Have It e Darlene disseram que eles iriam responder às alegações de Madonna na justiça, e chamaram a tentativa dela de impedir a venda de uma ação “sem fundamento e sem mérito.”