Madonna: homem é preso em investigação sobre vazamento de canções da cantora

Israelense de 39 anos é suspeito de ter divulgado versões demo de músicas que compõe Rebel Heart, novo disco da Rainha do pop

Redação Publicado em 21/01/2015, às 14h29 - Atualizado às 16h24

Madonna
Reprodução/Facebook

A polícia de Israel prendeu nesta quarta-feira, 21, um homem suspeito de hackear o computador de Madonna e divulgar versões demo das faixas que compõe Rebel Heart, novo álbum da Rainha do pop. A rede de televisão israelense Channel 2 reportou que o homem de 39 anos foi preso após um mês de apuração envolvendo uma empresa de investigação e a unidade de crime cibernéticos de Israel - a Lahav 433, uma força-tarefa comparável ao FBI.

De acordo com comunicado da empresa, o suspeito “invadiu computadores pessoais de inúmeros artistas internacionais nos últimos anos, roubando edições finais de faixas que não foram lançadas e as vendendo via internet”.

Catorze novas faixas de Madonna vazam na internet

Diversas demos do novo disco de Madonna, Rebel Heart, vazaram em dezembro de 2014, um acontecimento descrito pela cantora como “um estupro artístico” e “uma forma de terrorismo”. Em resposta ao incidente, no dia 20 de dezembro a Rainha do pop disponibilizou para a compra no iTunes seis das faixas que compõe o álbum.

Madonna revela história por trás do lançamento antecipado do novo disco

Enquanto uma ordem judicial proíbe a divulgação do nome do suspeito, repórteres locais já identificaram o homem como um ex-participante de um dos mais populares programas de competição de canto da TV de Israel. O suspeito pode ter invadido computadores de diversos outros artistas, mas foi o vazamento das músicas de Madonna que começaram a investigação.

Após vazamento, Madonna lança antecipadamente seis músicas do novo disco

Sediada em Tel Aviv, empresa responsável pela apuração divulgou um comunicado afirmando que aceitou o caso depois de receber uma denuncia anônima. Ainda segundo informações da empresa, foi enviado um agente a Nova York com o objetivo de “verificar o computador pessoal da cantora, confirmando que ele havia sido invadido por um IP proveniente de Israel”.

A empresa disse que rastreou o invasor até Tel Aviv e contactou a Lahav 433, que deu prosseguimento legal ao trabalho, que resultou em mandato de busca na casa e no computador do suspeito.