Maior festival LGBT da América Latina, Mix Brasil de Cultura da Diversidade divulga programação

23ª edição do evento acontece em São Paulo no mês de novembro

Redação Publicado em 01/11/2015, às 10h06

Cena do filme Te Prometo Anarquia
Divulgação

O 23° Festival Mix Brasil de Cultura da Diversidade, maior festival LGBT da América Latina, acontece de 11 a 22 de novembro em São Paulo. Neste ano, o evento apresenta 138 filmes de 27 países, além de teatro, música, leitura dramática, performances e a 1ª Conferência Internacional [SSEX BBOX] & Mix Brasil. A partir desta edição, o festival homenageará Suzy Capó, uma das fundadoras do Mix Brasil. Será entregue a produção mais inovadora e transgressora o prêmio com o nome da produtora e jornalista.

Sobe o Som: 10 novos artistas nacionais que você deve conhecer.

Inédito em São Paulo, o longa-metragem Te Prometo Anarquia, de Julio Hernández Cordón, abre o festival em uma sessão especial para convidados no dia 11 de novembro. O evento contará com a presença do ator do filme Diego Calva Hernández. Selecionado para os festivais de Locarno e Toronto, a história da película gira em torno de Miguel, de família de classe média, e Johnny, de bairro humilde, que são skatistas e namorados. Para financiar seu estilo de vida, eles vendem o seu próprio sangue e de sua gangue para clínicas clandestinas, até que um grande trabalho para a máfia dá errado.

Arte e ativismo: relembre bandas e atores que, ao defender causas, arrumaram problemas com autoridades.

No panorama internacional estão confirmados longas-metragens e documentários premiados recentemente em Festivais Internacionais de Cinema como a Berlinale, Locarno, Frameline e Toronto, entre outros. Já no circuito nacional, o festival premiará com o Coelho de Ouro o melhor filme brasileiro. O Mix Brasil ainda dedica parte da programação desse ano ao Mundo Mix América Latina, uma seleção especial de produções latino-americanas. O Festival apresenta nesta edição sua maior seleção de curtas-metragens nacionais, escolhidos entre 370 inscrições. No total, serão exibidos mais de 50 trabalhos brasileiros, sendo 18 curtas em competição.

Comédias políticas norte-americanas.

Vários convidados nacionais e internacionais marcarão presença no festival, como Wieland Speck, diretor do Panorama do Festival de Berlim; Carol Queen, uma das mais importantes ativistas pelos direitos da comunidade queer e de profissionais do sexo; Daniela Sea (L Word), atriz, cineasta, musicista e ativista; Buck Angel, ator, produtor, diretor e ativista da causa trans, e Karine Teles (Que Horas Ela Volta? e Otimismo), atriz e diretora.

Na parte musical do evento, uma das grandes atrações será o rapper Rico Dalasam. O artista, que desafia a noção de normalidade na música e no gênero, inaugurou a cena queer rap no Brasil. Presente no hip-hop há mais de 14 anos, a DJ, produtora musical e MC, Luana Hansen, também irá se apresentar no festival.

O tradicional Show do Gongo não poderia ficar de fora. As atrações serão submetidas ao júri popular e convidados comandos por Marisa Orth. Os interessados poderão se inscrever no balcão de credenciamento durante o festival ou até horas antes do início das gongadas, que acontece em São Paulo no dia 17 de novembro às 21h. A programação completa do festival pode ser vista aqui.