Amy Winehouse, Prince e Kendrick: As maiores injustiças da história do Grammy

Ao longo dos anos, artistas e produções autênticas foram deixadas de lado pela Academia. Com mais uma edição a caminho, reunimos alguns desses momentos, veja abaixo:

Redação Publicado em 26/01/2020, às 12h00

Amy Winehouse, Prince e Kendrick:
Amy Winehouse (Foto: Jorge Saenz/AP),Prince (Foto: AP/Alex Brandon) e Kendrick Lamar (Foto: Amy Harris / Imovision / AP)

A 62º edição do Grammy Awards acontece neste domingo, 26, em Los Angeles. Considerada a maior premiação da indústria musical, neste ano, a Academia aumentou o destaque a artistas jovens nas principais categorias. 

Lizzo, um dos nomes mais prolíferos da música atualmente, lidera a premiação com oito indicações, que incluem Álbum do Ano com o debute Cuz I Love You e Artista Revelaçã; Billie Eilish e Lil Nas X - ambos grandes fenômenos e líderes do topo das paradas norte-americanas - tem seis nomeações. 

+++ LEIA MAIS: Rolling Stone Brasil fará live de 4 horas com a cobertura completa do Grammy 2020

A cada nova temporada, grandes artistas como esses listados acima disputam entre si as cobiçadas estatuetas. No entanto, nem sempre essas autênticas produções recebem o reconhecimento que merecem.

Na última segunda, 21, por exemplo, Deborah Dugan, que deixou o cargo da presidência do Grammy sob acusação de má conduta, fez uma série de acusações contra a Academia.

Segundo a Variety, entre as denúncias, Deborah cita um comitê secreto e alegou que Ed Sheeran e Ariana Grande ficaram de fora da categoria de Música do Ano, em 2019, após o favorecimento de outro artista por parte do conselho. 

+++ LEIA MAIS: Conheça os 8 discos indicados ao Grammy 2020 de Melhor Álbum do Ano - e quais as chances de cada um

De acordo com a publicação, os integrantes do conselho usam o comitê como uma oportunidade para promover artistas com quem eles têm algum tipo de relação ou proximidade. Assim, manipulam o processo de indicação para garantir que determinadas músicas ou discos sejam indicadas.

Pensando nisso, reunimos as maiores injustiças já cometidas pelo Grammy


Grammy 2015: Beyoncé x Beck 

Em 2015, a disputa pela estatueta de Melhor Álbum estava entre Beyoncé com o disco homônimo, Sam Smith com In The Lonely Hour, Ed Sheeran com x, Pharrell Williams com G IR L e Beck com Morning Phase

Os mais queridos daquele ano eram o aclamado quinto disco de estúdio de Bey e o de Sam Smith. No entanto, quem levou o prêmio foi Beck. A situação gerou polêmica nas redes sociais e Kanye West chegou a subir no palco e fingir que ia interromper Beck (assim como no VMA com Taylor Swift), mas acabou desistindo. Ainda assim, o rapper afirmou que o cantor deveria respeitar a arte e ceder o prêmio para Bey.


Grammy 2014: Macklemore & Ryan Lewis x Ed Sheeran e Kendrick Lamar

Em 2014, a polêmica foi na categoria de Artista Revelação. Os rapperes Macklemore & Ryan Lewis desbancaram os aclamados candidatos Ed Sheeran e Kendrick Lamar. Anos depois, é perceptível quem merecia o prêmio.

Em 2018, Lamar ganhou a estatueta da Melhor Álbum de Rap, e ainda levou o prêmio Pulitzer também pelo disco DAMN. Em 2019, Sheeran fechou o ano com o posto da turnê mais lucrativa com a Divide Tour


Grammy 2013: Fun x Frank Ocean, Alabama Shakes

Mais uma vez, a polêmica foi na categoria de Artista Revelação. Fun, Frank Ocean, Alabama Shakes, Hunter Hayes e The Lumineers. O grupo musical de rock alternativo, Fun, acabou ganhando a disputa. 


Grammy 2012: Bon Iver x Nicki Minaj 

Em 2012, nas categorias de Artista Revelação e Melhor Álbum Alternativo quem levou os prêmios foi o indie rock de Bon Iver com o disco homônimo. A rapper Nicki Minaj estava concorrendo na mesma categoria - revelação -, mas não ganhou. Naquele ano, a cantora bombou com o hit "Starships". Na mesma disputa estavam J. Cole, Skrillex e The Band Perry.


Grammy 2011: Drake, Justin Bieber e Florence + The Machine x Esperanza Spalding

Considerada uma das edições mais polêmicas, a premiação de 2011 teve como Artista Revelação Esperanza Spalding, que desbancou Drake, Justin Bieber e Florence + the Machine. Alguns anos depois, todos os citados conquistaram carreiras astronômicas - diferentemente da ganhadora. 


Grammy 2008: Kanye West e Amy Winehouse x Herbie Hancock

Em 2008, a controvérsia da edição foi para a categoria Álbum do Ano. Concorriam o seminal Back to Black, de Amy Winehouse e Graduation de Kanye West - os preferidos pelo público e crítica -, no entanto, o grande prêmio da noite foi para Herbie Hancock com River: The Joni Letters


Grammy 2001: Eminem e Radiohead x Steely Dan

Nesta edição, os favoritos para o prêmio de Álbum de Ano eram The Marshall Mathers LP, do Eminem e Kid A do Radiohead. Concorriam para a mesma categoria Midnite Vultures do Beck e You're the One de Paul Simon. Mas o vencedor acabou sendo Steely Dan com Two Against Nature


Grammy 1985: Prince e Bruce Springesteen x Lionel Richie

Purple Rain, do Camaleão do Rock, é um dos discos mais icônicos de todos os tempos, mas não ganhou na categoria de Álbum do Ano em 1985. Na época, a disputa estava acirrada com Born in the U.S.A. de Bruce Springsteen, mas os dois discos foram deixados de lado pela Academia. Lionel Richie, com Can't Slow Down, bateu as duas obras e She's So Unusual, de Cyndi Lauper, e Private Dancer da Tina Turner.


Grammy 1981: Pink Floyd e Frank Sinatra x Christopher Cross

Neste Grammy concorria o lendário disco The Wall, do Pink Floyd e Trilogy: Past Present Future, de Frank Sinatra. Ao lado das icônicas obras estavam Glass Houses, de Billy Joel e Guilty de Barbra Streisand disputando a categoria de Melhor Álbum. No entanto, quem levou a estatueta da premiação foi Christopher Cross com o álbum homônimo.


Grammy 1967: The Beatles x Frank Sinatra 

Pode parecer algo surpreendente, mas os Beatles também foram deixados de lado no Grammy. Na edição de 1967, o disco Revolver,  um dos mais icônicos da carreira do Fab Four, concorria ao prêmio de Melhor Álbum, mas acabou perdendo para a o gigantesco trabalho de Frank Sinatra com Man and His Music. Na mesma categoria concorriam Color Me Barbra, de Barbra Streisand, Dr. Zhivago Soundtrack de Maurice Jarre e What Now My Love de Herb Alpert and the Tijuana Brass


 +++ MELHORES DISCOS BRASILEIROS DE 2019 (PARTE 1), SEGUNDO A ROLLING STONE BRASIL