Mais de 80% das pessoas fumam maconha para dormir ou aliviar dor, revela estudo

Nos lugares dos Estados Unidos onde maconha recreacional é legalizada as pessoas a compram por motivos quase entediantes

EJ Dickson, Rolling Stone EUA Publicado em 05/07/2019, às 16h20 - Atualizado às 16h22

None
Snopp Dog (Foto: Reprodução / YouTube)

Marijuana costumava ter uma reputação subversiva. Mas um novo estudo da Faculdade de Medicina Albert Einstein, da Universidade de Miami, descobriu que a maioria das pessoas fumam maconha por motivos bem entediantes: eles só querem dormir. 

O estudo publicado no Journal of Psychoactive Drugs buscou clientes de duas lojas de varejo no Colorado, onde a maconha recreacional é legalizado para pessoas maiores de 21 anos. Dos 1 mil entrevistados, 65% compram Cannabis para aliviar a dor, e 74% compraram para ajudar a dormir. Quase 80% dos que a usam para aliviar a dor disseram que o método “ajuda muito”, e 88% dos que usaram outros opióides anteriormente disseram que diminuíram ou pararam de tomar outros remédios como resultado do uso de Cannabis; 84% disseram que acharam que ajuda a dormir. 

De qualquer modo, não é muito surpreendente que a Cannabis seria usada dessa maneira. Há muito que a maconha é conhecida por seu efeito soporífero (um termo requintado para uma substância que induz ao sono), com alguns estudos sugerindo que o canabidiol (CBD) no Cannabis pode regular o sono e aumentar a qualidade geral do sono. Além disso, enquanto os status legais da Cannabis dependem de estudos no assunto, há evidências que sugerem que Cannabis poderia servir como uma alternativa para os remédios para dor, em parte porque os nervos que registram a dor no nosso compro têm muitos receptores de canabidiol (embora ainda faltem algumas pesquisas no assunto).

O estudo também sugere que a legalização tem o potencial de abrir espaço para diminuir o vício em outros métodos de redução da dor que são mais perigosos, como uso de opióides. “Essas descobertas falam não somente da eficácia terapêutica da Cannabis como uma alternativa de analgésico, mas também no seu papel potencial de diminuir agentes maliciosos”, disse Paul Armentano, diretor da faculdade que promoveu o estudo. 

Outros estudos, como o feito em 2014 por JAMA, ligaram a legalização da Cannabis a uma diminuição na morte por overdose de opióides, alegaram o mesmo (embora possa-se ressaltar que um estudo de 2019 contestou o JAMA). 

No geral, enquanto mais pesquisa é necessária, o estudo basicamente confirma o que já sabíamos: a Cannabis tem uma vasta área de usos, e a legalização beneficiaria mais pessoas do que aquelas que ficam presas ao estereótipo do usuário.

+++ SESSION ROLLING STONE: Cynthia Luz acredita no amor puro com "Não Sou Sem Nós"