Mamonas Assassinas se foram há 12 anos

Quinteto que fez sucesso nos anos 90 com paródias de famosas músicas internacionais morreu em acidente de avião

Da redação Publicado em 02/03/2008, às 14h32 - Atualizado em 03/03/2008, às 10h32

Com um único disco lançado em vida, os Mamonas conquistaram o Brasil
Reprodução

Dor de corno, nordestinos banalizados, homossexuais. Embora temáticas como estas sejam muito abordadas no brega brasileiro, foi no rock dos Mamonas Assassinas que elas foram cantadas de norte a sul. Neste dominho, 2, se completam 12 anos da trágica morte do quinteto de Guarulhos.

Se ainda estivessem vivos e na ativa, Dinho, Bento Hinoto, Júlio Rasec e os irmãos Samuel e Sérgio Reoli completariam 19 anos de estrada. Tudo começou com uma banda chamada Utopia, que fazia covers de grupos famosos. Pouco a pouco, as paródias começaram a fazer sucesso nos shows do grupo e, em 1995, o quinteto assinou contrato com a EMI.

No mesmo ano, a banda lançou seu único álbum em vida, intitulado Mamonas Assassinas. Todas as músicas caíram no gosto popular quase que imediatamente. "Pelados em Santos", "Vira-Vira", "Robocop Gay", "Jumento Celestino" e "Mundo Animal" foram só alguns dos sucessos do álbum.

As canções eram paródias de músicas como "Should I Stay or Should I Go", do The Clash; "Tom Sawyer", do Rush; "Boys Don't Cry", do The Cure, e até de "Lá Vem o Negão", do Negritude Júnior. Mais de 1,8 milhão de cópias do disco foram vendidas.

A carreira da banda acabou oito meses após o sucesso, em um acidente de avião na Serra da Cantareira, em São Paulo. O avião se chocou com a montanha após uma manobra errada e matou na hora os cinco integrantes da banda, o piloto, o co-piloto e dois assistentes do grupo. Foi uma das maiores tragédias da música brasileira.

O legado da banda foi mantido com uma coletânea, Atenção, Creuzebek: A Baixaria Continua (1998); um disco ao vivo, Mamonas Ao Vivo (2006); e um DVD, MTV Na Estrada (2004).