Selo independente Beatwise Recordings lança coletânea em parceria com marca californiana

Registro será prensado em vinil e trará faixas de CESRV, Cybass, MJP, Sants e Soul One

Redação Publicado em 29/08/2015, às 14h09

Coletânea da Beatwise Recordings.
Divulgação

A marca californiana LRG (Lifted Research Group) tem como uma de suas tradições o apoio a projetos culturais que envolvem música e arte. Por isso, a empresa se une ao Beatwise Recordings, selo independente da cidade de São Paulo, para desenvolver uma compilação em vinil com as principais produções que marcaram a história do grupo em dois anos de existência. O vinil estará disponível a partir de setembro por R$ 50,00 nos eventos do selo.

Planet Hemp anuncia apresentação única em São Paulo.

Para a realização do projeto, os produtores da Beatwise Recordings selecionaram uma compilação dos artistas do selo, portanto, no vinil será possível ouvir canções que exploram a diversidades rítmica, já que cada produtor habita um universo distinto, com influências que vão da música negra dos últimos anos à música contemporânea. “O principal objetivo é mostrar que a música brasileira pode ser experimental, eletrônica e ainda original”, aponta Lauro Netto, brand manager da LRG Brasil.

Emicida expõe a luta de classes e o preconceito racial no impactante clipe de “Boa Esperança”.

O selo abriu as portas em outubro de 2012. Os fundadores Cesar Pierri (CESRV) e Diego Santos (Sants) tinham como principal objetivo documentar uma cena que surgia: a nova geração de produtores brasileiros independentes de beats e suas ramificações. Hoje a produtora conta com 19 lançamentos de distintas referências e oito artistas: Abud, Bento, CESRV, Cybass, MJP, Sants, Sono TWS e Soul One.

Você ainda não entendeu a mensagem de Cores & Valores? A detenção de Mano Brown é o exemplo perfeito.

“O objetivo do selo é fomentar uma cena criativa que se mistura com outros gêneros e movimentos culturais. Não é um ambiente necessariamente movido por um único gênero, mas pelo interesse da evolução de sons que atualmente convergem – drum’n’bass, trip hop, rap, techno e house/ garage”, afirma Cesar Pierri.