Martin Scorsese revela que não fala com Bob Dylan há 20 anos

O diretor também revelou que o corte original de Rolling Thunder Revue: A Bob Dylan Story não contava com os atores

Andy Greene, Rolling Stone EUA Publicado em 06/12/2019, às 13h05

None
Bob Dylan (Foto: Cortesia da Netflix / Rolling Stone EUA)

Quando o filme Rolling Thunder Revue: A Bob Dylan Story foi lançado na Netflix, no início do ano, muitos espectadores não entenderam por que o filme usou atores para retratar a turnê do músico, em 1975.

Em uma nova entrevista com o British Film Institute, Martin Scorsese, que até então não tinha comentado sobre o assunto, revelou que este não era o plano original para o filme.

"Uma vez que tínhamos Rolling Thunder construído, [o editor] David Tedeschi e eu olhamos para ele e eu disse: 'É convencional. É apenas um filme sobre um grupo de pessoas que vão para a estrada e cantam algumas músicas. Eu vou ter que começar tudo de novo."

+++ LEIA MAIS: Há 50 anos, Bob Dylan lançava o 1º disco considerado pirata da história

Ele completou: "Nós temos que ir com a música, talvez, com o espírito da commedia dell'arte. E, então, as palavras começaram a sugerir pessoas que não foram lá, estavam lá. É interessante. É um desafio, como eles dizem. Vamos perseguir isso". 

Então, Scorsese colocou Sharon Stone para fingir que era namorada de Dylan na turnê e criou  fotos dos dois juntos. O filme também conta com Martin von Haselberg como o suposto documentarista Steven van Dorp; Michael Murphy, como o congressista Jack Tanner e Jim Gianopulos como promotor de shows.

"Vamos dizer que Sharon Stone representa certas coisas. E sobre o empresário e o cara do marketing? E esse Jim Gianopulos… Então por que nós não paramos aqui? E sobre o cineasta? Ótimo. Ele teve que ser levado em consideração. Ele possui os artistas, ele quer ser eles. É como nós, fazendo isso… nós amamos tanto a música e os performers que a única coisa que fazemos é fotografá-los e editá-los, certo? E nós queremos ser eles. E não importa o que, nós saímos querendo mais", disse o diretor.

+++ LEIA MAIS: Rolling Stones anunciam disco ao vivo de show feito com Bob Dylan em 1998

Scorsese também falou que a abordagem não convencional do filme influenciou o trabalho dele em O Irlandês.

"Em certos filmes, eu estou preso em uma narrativa. Eu costumava dizer roteiro, mas é mais que o roteiro, é a narrativa. Mas eu estou tentando quebrá-la e contar histórias de um jeito diferente e eu achei que os documentários me ajudaram com isso."

Rolling Thunder Revue: A Bob Dylan Story é uma continuação de No Direction Home, de 2005, que conta a história de Dylan desde a infância até o acidente de moto dele, em 1966. Apesar das incontáveis horas de arquivos visuais de Dylan e os filmes dele, Scorsese disse que ele não tem contato com o músico faz muito tempo.

"A última vez que eu vi Dylan foi em um grande jantar para a Armani, 20 anos atrás. Eu encontrei ele algumas vezes com Robbie Robertson. É isso", revelou o diretor. 

+++ SCALENE SOBRE RESPIRO: 'UM PASSO PARA TRÁS, RESPIRAR E VER AS COISAS DE UMA FORMA NOVA'