O Irlandês pode ter sido o último filme de Martin Scorsese

Aos 77 anos, o diretor disse que tem outras coisas que deseja fazer

Redação Publicado em 20/12/2019, às 13h12

None
Martin Scorsese (Foto: Evan Agostini/Invision/AP)

Martin Scorsese deu a entender que, talvez, O Irlandês tenha sido sua última produção para o cinema. 

Estrelado por Robert De Niro e Al Pacino, o longa foi a primeira contribuição de Scorsese para a Netflix e a rede de streaming em geral, sendo considerado um clássico instantâneo.

+++LEIA MAIS: Crítica se derrete por O Irlandês: "Mais uma grande conquista para Scorsese"

Contudo, o diretor diz que está cansado do cenário cinematográfico atual, que prioriza sucessos de bilheteria e filmes de super-heróis acima da arte. 

“Os cinemas foram dominados por filmes de super-heróis - você sabe, apenas pessoas voando por aí, batendo e batendo”, disse ele ao The Guardian. “É bom se você quiser vê-lo, mas não há mais espaço para outros tipos de filme. Não sei quantos eu ainda vou fazer aguentar. Talvez seja isso. Acabou.” 

Assim como O Irlandês, Scorsese foi produtor executivo do drama italiano Happy As Lazarro (2018), explicando sua relutância em se envolver ainda mais: “Sabe, eu tenho 77 anos e tenho coisas a fazer. O tempo é mais valioso, certo?”

+++LEIA MAIS: Robert De Niro, Al Pacino, máfia e assassinatos: Martin Scorsese está de volta com The Irishman

Scorsese reiterou sua frustração com a predominância dos filmes da Marvel e da DC nos cinemas. Explicando melhor o seu posicionamento, ele disse: “Você tem 12 telas - e em 11 você reproduz o mesmo filme de super-herói. Se você gosta de filmes de super-heróis, tudo bem, mas você precisa das 11 telas?”

E continuou: “Esses filmes podem não ser extremamente comerciais, mas existem filmes modestos e genuínos que encontram um grande público. Só porque um filme é comercial, não significa que não possa ser arte. O produto consumiu o cinema. Um produto deve ser consumido e jogado fora. Mas veja um filme comercial como Cantando na Chuva: você pode assisti-lo diversas vezes. Então a questão é: como vamos proteger a arte?”

 


+++ CORUJA BC1: 'FAÇO MÚSICA PARA SER ATEMPORAL E MATAR A MINHA PRÓPRIA MORTE'