Mary Austin detalha a conexão com Freddie Mercury: ‘A dor dele era a minha dor’

Em uma entrevista rara, a ex-namorada do líder do Queen contou detalhes da relação com o astro do rock

Redação Publicado em 28/01/2020, às 11h12

None
Mary Austin e Freddie Mercury (Foto: Reprodução)

Freddie Mercury e Mary Austin namoraram por cerca de seis anos e, mesmo após o fim do do noivado deles, em 1975, os dois continuaram melhores amigos até o fim da vida do líder do Queen. De acordo com o site Express UK, foi descoberta uma rara entrevista em que Mary contou detalhes da relação com o astro do rock.

"Levou bastante tempo para eu realmente me apaixonar por esse homem, mas, uma vez que eu estava ali, eu nunca mais pude me afastar dele. A dor dele se tornou a minha dor, a alegria dele se tornou a minha alegria."

Ela completou: "Eu pude olhar para dentro, quase um outro ser humano e o que eu vi foi um tesouro de beleza".

+++ LEIA MAIS: Freddie Mercury pediu para Mary Austin guardar um único e último segredo depois da morte dele; entenda

Mary ainda revelou acreditar que Mercury também tinha a mesma conexão com alguns fãs ao redor do mundo e esse foi um dos motivos para o músico ser lembrado mesmo depois da morte precoce.

"E eu penso que ele também fez isso com algumas pessoas lá fora. É por isso, eu acho, que os fãs continuam sentindo do jeito que ele sentia [...] Eles viram aquela beleza, eles viram a diversão, eles viram todos os aspectos da personalidade de Freddie e eles se apaixonaram por ele". 

+++ LEIA MAIS: Como Freddie Mercury dividiu a própria herança entre Mary Austin, Jim Hutton e outros

Em entrevista à OK! Magazine, Mary ainda descreveu a relação com Mercury como um casamento e explicou que eles sempre ficavam juntos, independente da situação ser boa ou ruim, e apenas a morte poderia separá-los.

"Quando ele morreu, eu senti que nós éramos casados. Nós cumprimos nossos votos. Nós fizemos isso no melhor e no pior, na riqueza e na pobreza, na saúde e na doença [...] Você não poderia deixar o Freddie a não ser que ele morresse. E mesmo assim era difícil."


 +++ MELHORES DISCOS BRASILEIROS DE 2019 (PARTE 2), SEGUNDO A ROLLING STONE BRASIL