Médico condenado pela morte de Michael Jackson deixa a prisão

Conrad Murray, considerado pela justiça o responsável pela morte do Rei do Pop, foi solto depois de cumprir metade da pena

Redação Publicado em 28/10/2013, às 10h56 - Atualizado às 10h58

Audiência preliminar determina que Conrad Murray será julgado por homicídio culposo
AP

Conrad Murray, médico condenado pela morte de Michael Jackson, foi solto da prisão de Los Angeles, nesta segunda-feira, 28, depois de cumprir metade da pena de quatro anos. As informações são da agência Reuters.

Ouça 20 hits inesquecíveis de Michael Jackson.

Considerado pela justiça norte-americana como o responsável pela morte de Michael, por homicídio culposo por administrar a dose letal de anestésico que matou o cantor, Murray foi solto como parte de um plano do Estado da Califórnia para reduzir a superlotação das prisões.

Os 15 tipos de videoclipe mais anos 80.

Murray passou por um julgamento que durou seis meses. Ao fim de inúmeras vezes perante o juiz, os promotores argumentaram que o clínico geral foi negligente ao administrar propofol, usado para ajudar o cantor a dormir, mas também responsável pela morte dele.

Em 25 de junho de 2009, o mundo perdeu a maior estrela pop que já existiu: Michael Jackson. Relembre a trajetória do astro, dos tempos de Jackson 5 aos ensaios para a temporada de shows This Is It, em grandes reportagens da Rolling Stone.

A liberação do médico foi acompanhada por jornalistas, que aguardavam na porta da prisão, segundo a Reuters. A defesa de Murray ainda vai apelar na tentativa de derrubar a condenação. O médico ainda quer voltar a praticar medicina.