Michael Jackson acreditava que seria assassinado, diz segurança

Matt Fiddes revelou que o músico iria usar um colete à prova de balas nos shows de This Is It por temer ser baleado no palco

Redação Publicado em 03/10/2011, às 13h47 - Atualizado às 13h47

Michael Jackson
AP

Um dos guarda costas de Michael Jackson à época de sua morte, em 2009, revelou ao site inglês da revista People nesta segunda, 3, que o Rei do Pop temia ser assassinado enquanto estivesse no palco de sua turnê, This Is It, que nunca aconteceu. Matt Fiddes contou ainda que o músico planejava entrar em cena com um colete à prova de balas por baixo de suas roupas.

Leia textos das edições anteriores da Rolling Stone Brasil – na íntegra e gratuitamente!

Matt Fiddes disse que o cantor usava um colete à prova de balas desde seu julgamento por abuso de crianças em 2005 e tinha absoluta certeza de que tentariam assassiná-lo durante os shows na Arena O2, em Londres. "Michael disse para mim: 'Temo não conseguir fazer essas apresentações ou ser assassinado no palco. Por favor, tome conta de minhas crianças", disse Fiddes.

O segurança também revelou que o cantor estava bêbado durante a conferência para anunciar a turnê This Is It, em 2009. "Ele tinha botado na cabeça que alguém poderia atirar nele, então ele bebeu uísque, quase meia garrafa, para relaxar", contou Fiddes. "Foi a primeira aparição pública dele em anos e ele acreditou que poderia ser assassinado por causa de sua má reputação no passado."

Começou na tarde última terça, 27, o julgamento de Conrad Murray, ex-médico de Michael Jackson que é acusado de ser o responsável pela sua morte, em junho de 2009. O julgamento acontece na Corte de Los Angeles e deve durar pelo menos cinco semanas. A pena de Murray pode chegar até 4 anos de prisão.