Pulse

Mick Jagger apoia ativistas que picharam Festival de Veneza: "eles que vão herdar o planeta"

Nos cinemas depois de 11 anos, músico discursou ao lado de Donald Sutherland - ator ainda criticou Trump e Bolsonaro

Redação Publicado em 09/09/2019, às 15h03

None
Mick Jagger (Eduardo Verdugo / AP)

O astro dos Rolling StonesMick Jagger e o ator Donald Sutherland participaram do Festival de Veneza durante este sábado, 7, para celebrar a estreia de The Burnt Orange Heresy, filme no qual ambos atuaram (Jagger pela primeira vez depois de 11 anos). Os dois discursaram juntos, e chamara atenção para as mudanças climáticas e falta de políticas ecológicas. 

A discussão começou porque alguns ativistas jovens protestavam perto do Festival, e chegaram a pichar “Ouçam seus filhos” e “Faça do tapete vermelho verde" nas instalações. Perguntaram o que Jagger acha sobre isso: "Dou total apoio."

+++ LEIA MAIS: De Rolling Stones a Lil Nas X: Barack Obama compartilha "playlist de verão" 

“Estou feliz que estejam fazendo isso, porque são eles que vão herdar o planeta,” explicou o músico. “Estamos em uma situação muito difícil no momento, especialmente nos Estados Unidos, onde todos os controles ambientais que estavam sendo colocados em prática, que eram talvez adequados, foram tão revertidos pela atual administração que estão sendo eliminados." 

“Em vários países, incluindo o meu, a maré está mudando. Mas isso não é sobre maneira de conduta,” acrescentou Jagger, e comentou que tem medo “de onde toda essa polarização, grosseria e mentira [vão nos levar].”

+++ LEIA MAIS: Flashback: Rolling Stones e Stevie Wonder vão à loucura no palco com Uptight e Satisfaction; assista 

“Mick está certo,” concordou Sutherland, o ator que estrelou ao lado Jagger no filme. “As leis do Obama mal eram adequadas, e agora estão sendo estraçakgadas. O mesmo acontece no Brasil e também serão destruídas na Inglaterra [com o Brexit]. Quando você tem 85 anos e tem filhos e netos… Não vamos deixar nada para eles se não votarmos para tirar essas pessoas do poder em Brasil, Londres e Washington. Estão arruinando o mundo. Contribuímos para a ruína, mas eles estão reforçando isso.”