Quedas, discursos interrompidos, constrangimento: relembre micos e gafes nas premiações

Redação Publicado em 07/12/2012, às 19h12 - Atualizado às 20h56

Micos e Gafes - Capa - Bob Dylan
Reprodução / Vídeo

A doce musa country Taylor Swift é meiga e diz para LL Cool que o que viria a seguir não seria bom. Mas ela foi em frente, não? Então entrou na seleção. Veja o beatbox de Taylor Swift ao lado – se é que isso pode ser chamado assim.
Nossa meiga Taylor Swift já passou por apertos no palco. Aqui, ela foi eleita a vencedora na categoria de Melhor Clipe Feminino, e está feliz e contente agradecendo quando é interrompida por um furioso Kanye West. Ele é até educado, no primeiro momento. “Estou muito feliz por você”, diz. E, então, começa a loucura. “Mas a Beyoncé tem um dos melhores clipes de todos os tempos”, completa, citando “Single Ladies”, que também concorria. Pobre Taylor.
E lá vai Jennifer Lopez, toda bonita e elegante, apresentando-se no American Music Awards, de 2009. Vestida como uma sexy boxeadora, ela cantava “Louboutins”, canção que chegou ao primeiro lugar nas paradas norte-americanas. Mas antes do topo, é preciso conhecer o fundo do poço - pelo menos é o que dizem -, e ela levou isso ao pé da letra. Quando saltou de cima das costas de um bailarino, J. Lo aterrissou de forma errada e estatelou-se no chão. O tombo está por volta do 4º minuto.

A cara amarrada de Bob Dylan ao se apresentar na cerimônia do Grammy, em 1998, já garantia um lugar especial entre os momentos mais embaraçosos das premiações. Mas o carrancudo gênio é surpreendido por Michael Portnoy, um sujeito que invade o palco e começa uma coreografia pouquíssimo convencional. Como bom profissional, Dylan se mantém firme e continua tocando a ótima “Love Sick”. Mas, pelo olhar fulminante do músico em direção aos bastidores, algumas cabeças rolaram depois daquilo.


Este já é um clássico da história da televisão brasileira. Caetano Veloso, o histórico e normalmente pacífico, decidiu esculachar toda a produção da MTV durante a sua apresentação na décima edição do VMB, em 2004. Nem bem ele começou a tocar os acordes de “(Nothing But) The Flowers”, com David Byrne, uma microfonia atrapalhou o músico baiano e deu início o chilique.
Sacha Baron Cohen, cujo humor escrachado já o fez passar por maus bocados, por pouco escapou de não levar uma surra no MTV Movie Awards de 2009. Atuando como o personagem Brüno, ele apareceu na premiação pendurado por um cabo, voando com asas de anjo e a bunda de fora. Mas o ator e humorista decidiu pousar justamente no colo de um pouco amigável Eminem. E, bom, o pouso não foi tão suave assim e o rapper precisou encarar fortes emoções. Veja ao lado e entenda.
Faith Hill decidiu mostrar toda a sua falta de espírito de “o importante é competir” durante o Country Music Association Awards de 2006. Ela era uma das indicadas da categoria Vocalista Feminina do Ano, mas perdeu para Carrie Underwood. A expressão de Hill é de incredulidade total. Depois, a cantora chegou a dizer que era uma piada. Mas, cá entre nós, não pareceu, não.
Inexplicavelmente, Mariah Carey aparece como aquele primo chato e bêbado na festa de fim de ano da família. Não sabe direito o que quer dizer, confunde-se, ri sem motivo. Seria divertido, se ela não estivesse recebendo um prêmio no Palm Spring Film Festival – mas ainda assim, é mais cômico do que trágico.
Em compensação, Britney Spears faz seu retorno aos palcos no VMA de 2007, aparentemente pouquíssimo à vontade com a roupa curta exibindo um corpo não tão em boa forma. Ela dança sem vontade, tropeça ali e aqui, e parece estar entorpecida. E a volta da cantora, que poderia ser algo triunfal, acabou virando um vexame daqueles. Se voltássemos à analogia da festa de fim de ano em família, Britney seria a tia mais velha que insiste em tentar dançar funk, mas não consegue fazer mais do que um vexatório "dois-pra-lá-dois-pra-cá".
É a raiva do punk levada ao limite da babaquice cômica. O baixista Krist Novoselic protagonizou o melhor momento do VMA de 1992, durante a apresentação do Nirvana. O grupo tocava "Lithium", Kurt Cobain estava pouco empolgado, mas Novoselic decidiu que faria algo para dar um final explosivo para a performance. Preste atenção, ao fim do vídeo, ele arremessa o seu baixo para cima – bastante rock and roll –, mas ele não deve ter frequentado as aulas de física, nos tempos de colégio, e não esperava a força com a qual o instrumento desceria. O resultado é... Bom, veja ao lado.