Ministro da Saúde comenta sobre estudo para desobrigar uso de máscara: ‘Não há pressa’

Após Bolsonaro pedir parecer para desobrigar uso de máscara, Marcelo Queiroga, ministro da Saúde, disse que medida está passando por estudo

Redação Publicado em 05/07/2021, às 12h09

None
Ministro da Saúde Marcelo Queiroga (Foto: Andressa Anholete/Getty Images)

Jair Bolsonaro (sem partido) pediu, em junho, um parecer ao ministério da Saúde para desobrigar o uso de máscaras em pessoas já vacinadas contra Covid-19. O ministro da Saúde Marcelo Queiroga afirmou nesta segunda, 5, que a medida está sendo estudada, mas “não há pressa”.

Segundo o G1, em visita ao Hospital Regional do Guará, no DF, Queiroga explicou: "Primeiro é necessário fazer um estudo científico. Depois que vem o estudo, o parecer é emitido. Não há pressa para se fazer isso. Isso tem que ser feito com base na ciência, né, o que temos defendido de forma reiterada. O Departamento de Ciência e Tecnologia, da Secretária de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos tá trabalhando com essa solicitação que foi feita pelo presidente da República."

+++LEIA MAIS: Bolsonaro ironiza denúncia de propina de ex-diretor da Saúde: ‘Pouca coisa, 400 milhões de doses’

Durante a visitação a hospital no Distrito Federal nesta segunda, o ministro da Saúde vacinou autoridades do governo, como os ministros Tarcísio Gomes (Infraestrutura), André Mendonça (Advocacia-Geral da União) e Jorge Oliveira (Tribunal de Contas da União). 

No compromisso, Queiroga também foi questionado sobre as investigações de supostas irregularidades na compra de vacinas contra a Covid-19, que resultou na exoneração do diretor de logística da pasta, Roberto Dias. Segundo o ministro, a tolerância para “atos impróprios” é zero:

+++LEIA MAIS: Responsabilização de Bolsonaro está mais próxima, aponta CPI da Covid

"A sindicância não é sobre o Roberto Dias. A sindicância é para apurar os fatos. E isso já tem a participação... Aliás, quem está à frente disso é a Controladoria-Geral da União, a própria Polícia Federal tá investigando," explicou Queiroga.

O ministro continuou (via G1): "A tolerância com atos impróprios é zero. [Se] houve fatos que tenham indícios de problemas, não tenha dúvida, o ministro exonera. Que aqui não é in dubio pro réu, é in dubio pro sociedade, não é ministro André Mendonça? Essa é a orientação que eu recebi do presidente da República e cumpro, à risca."

+++LEIA MAIS: Ministro da Saúde é recebido aos gritos na USP: ‘Bolsonaro genocida, mais vacina e menos cloroquina’


+++ OS 5 DISCOS ESSENCIAIS DE BOB DYLAN | ROLLING STONE BRASIL