Monsters of Rock 2015: integrantes do Sepultura “compensam” ausência de Lemmy em jam com Motörhead

Andreas Kisser, Derrick Green e Paulo Jr. tocaram três faixas da banda com Phil Campbell e Mikkey Dee

Lucas Brêda Publicado em 25/04/2015, às 20h18 - Atualizado às 23h27

Após show do Motörhead ser cancelado, membros da banda de rock e integrantes do Sepultura improvisaram uma jam session no Monsters of Rock 2015.

Ver Galeria
(9 imagens)

Os fãs que saíram de casa neste sábado, 25, para assistir ao show do Motörhead no primeiro dia de Monsters of Rock 2015 não puderam ver o líder do grupo, Lemmy Kilmister em ação. Isso porque o baixista e vocalista passa por problemas gástricos e não pôde subir o palco. Um “mistão” com integrantes do Sepultura, entretanto, tocou três faixas da banda no tempo destinado ao show cancelado.

Show do Motörhead é cancelado por motivos de saúde.

O gesto nobre foi proferido pelo guitarrista Andreas Kisser, o vocalista Derrick Green e o baixista Paulo Jr. do Sepultura, como uma forma de “compensar”, mesmo que de maneira superficial, a falta de Lemmy. Os músicos da banda brasileira se juntaram ao guitarrista Phil Campbell e ao baterista Mikkey Dee, do Motörhead, para performances acaloradas – ainda que previsivelmente pouco entrosadas – de “Orgasmatron”, “Ace of Spades” e “Overkill”, nesta ordem.

A primeira delas, do álbum homônimo, lançado pelo Motörhead em 1986, já havia sido regravada pelo Sepultura para o disco Arise. Green assumiu os vocais, sujando e intensificando ainda mais os versos da canção. O público, que ainda não entendia direito o que estava acontecendo, recebeu a versão de forma curiosa.

Vocalista se ofende com público e Black Veil Brides chega a abandonar o palco.

Em “Ace of Spades”, um Andreas Kisser pego de surpresa se esforçou para “substituir” o ídolo. Grande parte da plateia comemorou a canção – pelo menos não iriam para casa sem ouvir o maior clássico do Motörhead.

Se a curta apresentação pode ser esquecida em pouco tempo pelos brasileiros, para Paulo Jr., contudo, os poucos minutos no palco do Monsters of Rock 2015 devem ter sido muito especiais: o baixista do Sepultura tocou com o instrumento de Lemmy durante todas as músicas (fotos na galeria acima).

Em viagem musical aos anos 1970, Rival Sons apresenta hard rock virtuoso.

Antes da última performance, o baterista Mikkey Dee assumiu o microfone para falar com os brasileiros, comentando que foi um “privilégio” tocar com “lendas brasileiras”. Os gritos de “Lemmy” por parte dos presentes era inevitável e entoado cada vez com mais contundência. “Vemos vocês em breve”, disse, antes de colocar o entusiasmo de todo um show no desempenho de “Overkill” atrás dos tambores.

A faixa de 1979 também foi cantada por Kisser (com inserções vocais de Green) e ganhou alongamentos instrumentais guiados pelo vigor de Dee. Antes de se despedir dos brasileiros, ele distribuiu uma grande quantidade de baquetas, agradeceu e repetiu, logo antes de sair do palco: “Nos vemos em breve.”

Representante do new metal, Coal Chamber se esforça para agradar, mas soa deslocado no line-up.

As falas do baterista podem indicar que o Motörhead pretende compensar a falta de Lemmy com alguma apresentação “em breve” no Brasil. Certo, contudo, é que as três músicas do grupo, tocadas em sequências, só despertaram a imaginação dos fãs em relação a como poderia ter sido o show – pelo qual eles compraram o ingresso – e deixaram o gosto de “quero mais.”

O Monsters of Rock 2015 acontece na Arena Anhembi, em São Paulo, nos dias 25 e 26 de abril. A Rolling Stone Brasil está acompanhando o festival e faz a cobertura completa no site, Twitter, Facebook e Instagram.