Morre aos 75 anos Gil Friesen, magnata da música

O ex-presidente da A&M Records ajudou a construir carreiras como as do Police, Janet Jackson, Soundgarden, entre outros

Rolling Stone EUA Publicado em 15/12/2012, às 12h52 - Atualizado às 13h01

A&M Records
Reprodução

Morreu Gil Friesen, o executivo de gravadora que construiu a A&M Records ao lado de Herb Alpert e Jerry Moss – ajudando a apresentar para o mundo The Police, Janet Jackson, Soundgarden e The Carpenters. Friesen morreu na última quinta, 13, em sua casa, em Los Angeles, aos 75 anos, após uma longa luta contra a leucemia.

Leia textos das edições anteriores da Rolling Stone Brasil – na íntegra e gratuitamente!

"Ele ajudou a criar a cultura que foi a A&M", disse Moss, que conheceu Friesen no final dos anos 50 por meio do lendário DJ de rock DJ Alan Freed, quando ambos trabalhavam promovendo discos. A filosofia da A&M era de assinar com artistas talentos e deixar que eles seguissem seus instintos criativos. A gerência independente do selo durou 27 anos, entre 1962 e 1989, quando foi vendido para a PolyGram.

O selo conseguiu inúmeras multiplatinas com seus discos, dentre eles Frampton Comes Alive!, de Peter Frampton, em 1976 e Four, do Blues Traveler, em 1994. Pelo caminho, foi deixando que artistas como Suzanne Vega, Joan Armatrading e Joe Jackson fossem crescendo da maneira deles no selo, mesmo que não apresentassem vendas impressionantes. "A A&M sempre se orgulhou de ser independente e os artistas e empresários reconheciam isso como uma qualidade, essa imparidade e independência eram coisas atraentes para eles", disse Friesen em 2006. "Isso os tornava menos vulneráveis ao grande negócio".

Friesen também ajudou a fundar a Classic Sports Cable Network, que em 1997 foi vendida para a ESPN.