Morre aos 79 anos o cantor e compositor Orlandivo

Conhecido como o Rei do Sambalanço, o catarinense inspirou Jorge Ben Jor e foi o autor de sucessos como “Bolinha de Sabão” e “Tamanco no Samba”

Redação Publicado em 08/02/2017, às 17h31 - Atualizado às 18h17

O cantor e compositor catarinense Orlandivo
Reprodução

Morreu nesta quarta-feira, 8, o cantor Orlandivo. Responsável por canções como “Bolinha de Sabão”, “Vô Batê Pa Tu”, “Tamanco no Samba”, “Onde Anda o Meu Amor” e “Palladium”, o catarinense também inspirou gente como Jorge Ben Jor, Dóris Monteiro, João Donato, Elza Soares e Wilson Simonal. Ele tinha 79 anos.

Oriundo de Itajaí, Santa Catarina, Orlandivo mudou-se com a família para o Rio de Janeiro quando tinha 9 anos. Por lá, ele conquistaria posteriormente (nos anos 1960) a alcunha de Rei do Sambalanço, um sub-gênero musical derivado do samba e que funde elementos do jazz, bossa nova a alguns ritmos latinos.

Ainda na década de 1960, participou como crooner ao lado do conjunto de Ed Lincoln, emplacando faixas como “O Ganso” e “O Amor que Eu Guardei”. Algumas das canções dele também foram interpretadas por artistas como Golden Boys, Conjunto Farroupilha, Humberto Garin, Wilson Simonal, Cauby Peixoto, Angela Maria, João Donato, Sônia Delfino, Trio Esperança, Dóris Monteiro, Claudette Soares, Jorge Ben Jor, Elza Soares, Celso Murilo e Luís Carlos Vinhas, entre outros nomes.

Além da prolífica carreira musical, ele também atuou em diversos programas televisivos, entre eles Alô Brotos, Aérton Perlingeiro Show e Chico Anísio Show, da extinta TV Tupi, e Faça Humor, Não Faça a Guerra e Balança Mas Não Cai, da TV Globo. Já no cinema, participou dos filmes Eu Transo… Ela Transa (1972), de Pedro Camargo, e Como Nos Livrar do Saco (1973), dirigido por César Ladeira Filho.