Morre aos 81 anos o sambista Wilson das Neves

O corpo do baterista e cantor foi velado na manhã deste domingo, 28, na quadra da escola de samba Império Serrano, no Rio de Janeiro

Redação Publicado em 27/08/2017, às 10h50 - Atualizado às 17h47

Wilson das Neves
Reprodução/Facebook oficial

Morreu na noite do último sábado, 26, o sambista Wilson das Neves. Segundo o portal G1, das Neves morreu em decorrência de um câncer, motivo pelo qual já estava internado em um hospital na Ilha do Governador, no Rio de Janeiro. Ele tinha 81 anos.

O corpo de das Neves foi velado na manhã deste domingo, 28, em Madureira, zona norte do Rio, na quadra da escola de samba Império Serrano.

Wilson das Neves – o samba é seu dom

Wilson das Neves acumulou 60 anos de carreira, tendo se tornado um dos principais bateristas do país, sendo de extrema importância para o samba e a MPB. O músico atuou como baterista da banda de Chico Buarque por mais de três décadas, a partir de 1982. Das Neves tocou ainda com Cartola, Caetano Veloso, Nelson Cavaquinho, Elis Regina, Clara Nunes, João Nogueira, entre outros.

Em 1996, das Neves lançou o disco O Som Sagrado de Wilson das Neves, apostando na carreira de cantor. O trabalho recebeu o Prêmio da Música Brasileira e teve contribuições de Chico Buarque, na música “Grande Hotel”, e Paulo César Pinheiro.

Ainda como intérprete, seguiram-se mais três álbuns: Brasão de Orfeu (2004), Pra Gente Fazer Mais Um Samba (2010) e Se Me Chamar, Ô Sorte (2013).

Como parte da celebração dos 80 anos de Neves, no ano passado foi lançada a biografia Ô Sorte! Memórias de um Imperador. O título referencia o bordão “ô sorte”, popularizado por ele, mas que das Neves afirmava ter sido cunhado pelo cantor e compositor Roberto Ribeiro.

A trajetória de das Neves também rendeu um documentário de Cristiano Abud, intitulado O Samba é Meu Dom (2010).