Morre Bobby Vee, cantor que já “substituiu” Buddy Holly e foi “mentor” de Bob Dylan

Astro dos anos 1960 emplacou 38 músicas entre as 100 mais tocadas dos Estados Unidos

Paulo Cavalcanti Publicado em 24/10/2016, às 18h21 - Atualizado às 18h43

O cantor Bobby Vee
Rex Features/AP

Morreu nesta segunda, 24, na cidade norte-americana de Rogers, Minnesota, o cantor Bobby Vee. Ele tinha 73 anos e há cinco anos sofria do Mal de Alzheimer.

Nascido Robert Thomas Velline, no dia 30 de abril de 1945, em Fargo, Dakota do Norte, Vee foi um dos maiores ídolos do pop rock do começo dos anos 1960, antes dos Beatles aparecerem e mudarem tudo. O músico emplacou hits como “Rubber Ball”, “Take Good Care of My Baby”, “Run to Him”, “The Night Has a Thousand Eyes”, “Devil or Angel” e “Come Back When You Grow Up”, entre outros. No total, ele colocou 38 canções entre as 100 mais tocadas nos Estados Unidos.

Bobby Vee tem um papel interessante na história do rock. Quando adolescente, ele era fanático por Buddy Holly e estava contando os minutos para vê-lo tocar em Fargo. Mas no dia 3 de fevereiro de 1959, o avião em que estava Holly, Richie Valens e The Big Bopper caiu em um campo coberto de neve, matando todos que estava a bordo. Hoje, este fato é chamado de “O Dia em Que a Música Morreu”, devido à menção na música “America Pie”, de Don McLean.

O jovem Velline, na época com 15 anos, ficou arrasado. Mas os promotores locais, sabendo que ele tinha uma banda amadora chamada The Shadows (nada a ver com os músicos ingleses que acompanhavam Cliff Richard) e que tocava canções do falecido astro do rock, o convenceu a subir no palco. Ele os amigos, todos eles músicos iniciantes, foram chamados assim para “tapar buraco.”

Com este batismo de fogo, contudo, ele ganhou experiência para se profissionalizar. A associação dele com Holly continuou. No começo da década de 1960, depois de trocar o nome para Bobby Vee e assinar com a Liberty Records, ele se tornou um grande astro e por toda a vida homenageou o herói, Buddy Holly. Em 1961, chegou até a gravar um elogiado álbum junto aos Crickets. Em 1963, lançou também o LP I Remember Buddy Holly, somente com músicas do ídolo.

Outra coisa que pouca gente sabe é que Vee foi o primeiro a dar uma chance para o adolescente Bob Dylan. Na época, Dylan, que usava o estranho nome artístico Elston Gunnn, tocou piano na banda de Vee em apenas dois shows, mas aprendeu muito conversando e ensaiando com o astro. Com o tempo, viraram amigos.

Em seu livro de memórias, Chronicles: Volume One, Dylan recordou a ocasião e elogiou o incentivo dado a ele por Vee. Em um concerto no Midway Stadium, em St. Paul, Minnesota, no dia 13 de julho de 2013, na presença de Vee, Dylan falou que, em sua carreira, havia dividido o palco com muita gente importante, mas ninguém igual a Bobby Vee.

“Eu toquei em todos os palcos do mundo, com todo mundo, de Mick Jagger a Madonna. Mas a pessoa mais significativa é esta que está aqui com a gente nesta noite”, disse o atual vencedor do prêmio Nobel em literatura. Em seguida, ele tocou uma versão fiel de “Suzy Baby”, o primeiro hit do mentor.

Abaixo, assista ao momento em que Dylan homenageou Vee, em 2013.