Morre Ernesto Paulelli, o homem que inspirou o “Samba do Arnesto”, de Adoniran Barbosa

Morador da Mooca, em São Paulo, o advogado e também músico foi amigo do sambista até a morte dele, em 1982

Redação Publicado em 26/02/2014, às 19h34 - Atualizado às 20h31

Adoniran Barbosa
Reprodução / Vídeo

Ernesto Paulelli, que morreu nesta quarta-feira, 26, ficou nacionalmente conhecido na voz e nos versos de Adoniran Barbosa, mas nunca pelo nome verdadeiro. Para o sambista, Ernesto era Arnesto – aquele personagem que dá nome ao “Samba de Arnesto”, um dos maiores sucessos do símbolo do gênero paulistano.

70 anos de Demônios da Garoa.

Ernesto tinha 99 anos e morreu por volta do 12h, de causas naturais, segundo contou a filha dele, Valéria Paulelli, ao Jornal do Brás. Advogado e músico nas horas vagas, Ernesto já não ligava caso as pessoas trocassem o nome dele para a versão adaptada na música de Adoniran.

Também, pudera, desde 1955, quando a música foi lançada, Ernesto deixou de ser conhecido pelo nome original. Foi o ano em que Adoniran lançou um dos maiores ícones do samba paulista, que recontava uma furada dada pelo próprio Ernesto, ao convidar para um samba no Brás que nunca existiu – a situação, sempre garantiu o “Arnesto” original, nunca aconteceu.

Ernesto conheceu Adoniran em 1938, durante uma ida à Rádio Record, em São Paulo. Na ocasião, ele acompanhava a cantora Nhá Zefa e foi apresentado por ela a Adoniran. O curioso é que o sambista, ao ler no cartão de apresentações o nome de Ernesto, logo inventou o "apelido" de Arnesto. E disse, como Ernesto costumava contar: "É Arnesto, o seu nome dá samba. Vou fazer um samba para você." E fez.

O velório ocorre ainda nesta quarta, no Cemitério do Araçá, a partir das 19h30.