Morre Fábio Leopoldino, ex-frontman do Second Come

Guitarrista faleceu aos 46 anos, de infarto fulminante; presença marcante na cena indie dos anos 1990, ele integrou ainda bandas como Stellar e Eterno Grito

Da redação Publicado em 12/05/2009, às 17h56

Morreu nesta segunda, 11, Fábio Leopoldino, ex-vocalista e guitarrista da banda independente Second Come. Fábio L. - como assinava na época - tinha um quê de Mike Patton dos trópicos, pelo menos em termos de hiperatividade musical: foi dos personagens mais atuantes na cena indie dos anos 1990, participando ainda de grupos como Eterno Grito, Stellar e Polystyrene.

A Second Come, que durou de 1990 a 1994, chegou a ser elogiada por Dave Grohl, à época baterista do Nirvana. O som feito pelos rapazes da camisa de flanela, aliás, já foi comparado ao da banda de Fábio - embora, naquele comecinho da década de 1990, eles nunca tivessem ouvido falar da trupe de Seattle. O álbum Second Come inaugurou o Rock It!, selo tocado por Dado Villa-Lobos, da Legião Urbana, e André X, da Plebe Rude.

O grupo chegou a fazer um som em 1999, mas Fábio, brigado com a galera, já não integrou a formação. Ele tinha 46 anos e foi vítima de infarto fulminante, na cidade de Valência, interior do Rio - mudou-se de Niterói para lá a fim de "levar o pai, que tinha problemas de saúde, para um lugar mais calmo", segundo o amigo Wagner Alves. Parado desde Stellar, banda montada em 1995 com ex-integrantes do Second Come, Drivellers e Stellarblast (três bandas conceituadas no universo indie na década passada), o guitarrista tinha planos de voltar à música, acrescentou Alves. Quer dizer: tinha e não tinha. "Com ele era assim: tudo acontecia na hora. Era questão de pegar e começar. Há duas semanas mesmo ele ligou, para tocarmos algo", afirmou.

O selo Midsummer Madness, que lançou os quatro álbuns da carreira do Stellar, pôs em rede dois discos lançados pela Rock It e uma coletânea de demos liberada em cassete e CDR pelo Midsummer. Clique aqui para escutar o material.

Assim que soube da morte do amigo, o baixista Francisco Kraus - companheiro de Fábio na Eterno Grito e na Second Come - escreveu um e-mail, reproduzido abaixo.

"Estranho isso, mas neste momento, realmente não sei o que faço.

Acabei de receber uma notícia extremamente triste e a única frase que me veio foi o nome desta música. Hoje, lá pelas três da tarde, faleceu o Fábio Leopoldino. Fábio L., como na época do Second.

Segundo informações de um amigo comum, que foi avisado pela mãe do Fábio, ele teve um infarto e não chegou sequer a receber socorro. Apenas pediu a mãe que ficasse com ele. Poético, como foram suas composições.

Durante alguns anos, após o final do Second Come, fiquei sem falar com ele. Vários foram os "motivos" que me levaram a acreditar que eu estava certo. E vários foram os motivos que me levaram a acreditar, depois, que estava errado. Quando voltamos a conversar foi ótimo. E libertador.

Mas agora não valem mais as palavras.

Apenas peço que os que o conheciam, pessoalmente ou por suas músicas, desenhos, contos etc. lembrem dele agora de uma forma boa, com aquele pensamento bom que poucas vezes temos na vida. E que essa luz o ajude nesta passagem."

F. Kraus