Morre Jeanne Moreau, ícone da Nouvelle Vague

Atriz, que tinha 89 anos, estrelou filmes como Jules e Jim - Uma Mulher Para Dois, Ascensor para o Cadafalso e Amantes

Rolling Stone EUA Publicado em 31/07/2017, às 11h38 - Atualizado às 12h00

A atriz Jeanne Moreau

Ver Galeria
(2 imagens)

Jeanne Moreau, uma lenda do cinema francês e uma das principais atrizes da Nouvelle Vague, morreu no último final de semana. Ela tinha 89 anos.

Autoridades francesas confirmaram que a morte aconteceu na casa da atriz, em Paris. De acordo com a BBC, a causa não foi revelada.

O presidente francês Emmanuel Macron lamentou sobre o acontecimento no Twitter. “Uma lenda do cinema e do teatro… uma atriz engajada de forma absolutamente livre com a vida”, escreveu.

Carreira

Durante uma trajetória de 70 anos, Jeanne trabalhou com diretores icônicos como François Truffaut (Jules e Jim), Luis Bunuel (O Diário de uma Camareira), Michelangelo Antonioni (A Noite), Orson Welles (O Processo), Elia Kazan (O Último Magnata), Rainer Werner, Fassbinder, Wim Wenders, Theo Angelopoulos e Louis Malle.

Após uma década interpretando personagens coadjuvantes, a atriz ganhou notoriedade em 1958, quando teve papéis de destaque em Amantes e Ascensor para o Cadafalso.

Em 1960, ela foi nomeada Melhor Atriz no Festival de Cannes, por Duas Almas em Suplício, de Peter Brook. Reconhecida como uma artista internacional, Jeanne foi escalada para Ligações Amorosas, de Roger Vadim, e A Noite, de Michelangelo Antonioni, antes de interpretar o que parece ser o papel mais icônico dela: a Catherine de Jules e Jim - Uma Mulher Para Dois, um clássico de Truffaut da Nouvelle Vague.

Além de atuar, Jeanne também dirigiu alguns filmes. No Coração, a Chama (1976), L’Adolescente (1979) e um documentário sobre a atriz Lillian Gish estão entre os trabalhos.

Ainda que ela nunca tenha recebido uma indicação ao Oscar, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas fez uma homenagem à atriz com o prêmio de Realização de uma Vida Inteira em 1998.