Morre aos 47 anos o músico gaúcho Júpiter Maçã

Flávio Basso, que integrou as bandas Cascavelletes e TNT, teria ferido a cabeça após sofrer uma queda em casa

redação Publicado em 21/12/2015, às 20h12 - Atualizado em 23/12/2015, às 16h37

Júpiter Maçã cantou sucessos de sua carreira, como "Um Lugar do Caralho" e "A Marchinha Psicótica do Dr. Soup"
Carolina Vianna

O jornal Zero Hora confirmou na noite desta segunda, 21, a morte do músico gaúcho Flávio Basso, mais conhecido como Júpiter Maçã. Ele tinha 47 anos.

De acordo com o portal UOL, o músico Lucas Hanke, da produtora Marquise 51 (que trabalhava com Júpiter) conversou com os pais dele e explicou que o artista sofreu uma queda em casa, em Porto Alegre, bateu a cabeça e não resistiu aos ferimentos. Segundo divulgou o Departamento Médico Legal, a causa de morte foi falência múltipla dos órgãos. De acordo com a mãe dele, ele sofreu um infarto agudo do miocárdio quando estava no banho.

Compositor, vocalista e diretor, Júpiter Maçã foi um dos maiores ícones do rock gaúcho, tendo integrado as bandas TNT e Cascavelletes nos anos 1980. Na década seguinte, ele fez sucesso em carreira solo, tendo lançado oito discos. Uma referência no rock, A Sétima Efervescência (1996), um dos álbuns mais conhecidos dele, é considerado um marco do rock nacional. Com influências de Pink Floyd e muita psicodelia, o trabalho gerou as memoráveis "Um Lugar do Caralho", "Eu e Minha Ex" e "As Tortas e as Cucas".

A faixa “Modern Kid” entrou para a seleção de melhores canções de 2009 da Rolling Stone Brasil. Além disso, A Sétima Efervescência integrou a nossa lista dos 100 maiores discos da música brasileira.