Morre Rubens Ewald Filho, ícone da crítica de cinema, aos 74 anos

Jornalista estava internado em estado grave desde o dia 23 de maio, no Hospital Samaritano, em São Paulo

Redação Publicado em 19/06/2019, às 20h34

None
Rubens Ewald Filho (Foto: Divulgação)

Morreu na tarde desta quarta-feira, 19, o jornalista Rubens Ewald Filho, ícone da crítica de cinema no Brasil, aos 74 anos. O jornalista estava internado com um quadro considerado grave Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Samaritano, em Higienópolis, na região Central de São Paulo.

Ewald Filho foi internado no dia 23 de maio após sofrer um desmaio seguido de uma queda de escada rolante. A queda foi causada por uma arritmia cardíaca. Ele passou por um tratamento cardiológico e das fraturas decorrentes da queda, mas não resistiu.

O jornalista foi a figura responsável por popularizar o papel de crítico. Na TV, ele levou conteúdo sobre técnica dos cinemas, o que também fez um papel importante de fomentar o interesse no cinema. Ele trabalhou nas emissoras Globo, SBT, Record e Cultura. 

Na TV Globo, de forma mais recente, era o comentarista convocado para as coberturas da cerimônia de entrega do Oscar

Nascido em Santos, Rubens Ewald Filho dizia ter assistido mais de 37 mil filmes. O início da sua jornada como jornalista foi no jornal “A Tribuna”, de Santos, ainda em 1967. Ele passou pelas redações dos jornais Jornal da Tarde e O Estado de S.Paulo, e pela revista Veja.

Além do papel como crítico, ele também atuou em filmes como As Gatinhas (1970) e foi roteirista de cinema. Na TV, participou de produções importantes, tais quais Éramos Seis (1977), Gina (1978) e Drácula, uma História de Amor (1980).

Ewald Filho também escreveu Dicionário de Cineastas, obra de referência e fundamental para os aspirantes a críticos de cinema.