Morre Trevor Gordon, da dupla The Marbles, aos 64 anos

Grupo, parceiro do Bee Gees, lançou os hits “Only One Woman” e “The Walls Fell Down”

Redação Publicado em 16/01/2013, às 10h23 - Atualizado às 12h45

The Marbles
Reprodução / Vídeo

Trevor Gordon, que formava a dupla The Marbles ao lado do primo Graham Bonnet, morreu aos 64 anos. A causa da morte ainda não foi identificada e depende de autópsia, de acordo com o anúncio divulgado no site oficial do antigo companheiro de banda.

Leia textos das edições anteriores da Rolling Stone Brasil – na íntegra e gratuitamente!

Ambos nasceram em Skegness, uma pequena cidade na costa leste da Inglaterra. Um ano mais novo que o primo, Gordon se mudou para a Austrália no fim dos anos 50. Em 1961, aos 13 anos, ele já cantava no programa de TV local apresentado por Johnny O’Keefe. Como a carreira vinha em ascensão, ele foi contratado, com exclusividade, pela emissora ABC australiana.

Foi nessa época em que se tornou amigo dos irmãos Gibb, que firmariam o Bee Gees. Gordon tocou guitarra nas primeiras gravações de canções do trio, como "Peace Of Mind", "Wine And Women" e "Follow The Wind".

Em 1966, o músico voltou à Inglaterra, onde reencontrou o primo e decidiram criar uma banda – no princípio, eles eram conhecidos por Blues Sect e, depois, Bonar Law. Quando o Bee Gees estourou, os irmãos Gibb se lembraram de Gordon e ajudaram o The Marbles a assinar com o selo Polydor Records.

Foi em 1968 que a dupla de Gordon e Bonnet conheceu o auge, quando foi lançado "Only One Woman", canção assinada por Barry, Robin e Maurice Gibb. A música chegou ao 3º lugar das paradas britânicas (veja o vídeo abaixo).

Eles chegaram a entrar de novo nas paradas, com "The Walls Fell Down", mas o sucesso já não foi o mesmo (eles atingiram a 28º posição). A dupla, típica one-hit wonder, lançou um disco homônimo e quatro singles.

Os dois se separaram em 1970 e, enquanto o primo seguia em carreira solo, Gordon se afastou da indústria fonográfica. Passou a participar do programa de TV de Billy Cotton e tornou-se professor de música. Voltou à ativa como guitarrista de jazz, gênero sobre o qual inclusive escreveu um livro, Caged for Jazz Guitar—a Chord Shaped Approach to Jazz Mastery.