Mulher garante que James Brown foi assassinado e polícia pode abrir nova investigação

Jacque Hollander entregou uma caixa com informações sobre o possível crime para o responsável pela investigação da morte do cantor

Redação Publicado em 14/02/2020, às 09h09

None
James Brown (Foto: AP)

Jacque Hollander se encontrou com o procurador Paul Howard na quarta-feira, 12, e entregou uma caixa com supostas provas do assassinato do ícone do funk e soul James Brown. As informações foram confirmadas por um porta-voz do condado de Fulton, onde a ação judicial está em processo. 

De acordo com o procurador, o próximo passo da investigação será entrevistar Jacque e analisar o material apresentado. E, se o conteúdo for legitimado, uma nova investigação será iniciada em maior escala, garantiu Howard.

+++ LEIA MAIS: Viúva de James Brown, Tomi Rae Brown acredita que artista pode ter sido assassinado

Em 2017, uma investigação sobre a morte do cantor foi aberta após Jacque revelar que tinha informações sobre o crime e 13 pessoas afirmarem que acreditam no assassinato do artista.

O músico morreu em 2006, aos 73 anos, em consequência de um ataque cardíaco e líquido nos pulmões. Contudo, uma reportagem da CNN, de 2019, revelou que até mesmo o médico responsável pelo documento de óbito suspeitou do crime.

“Ele mudou muito rápido. Ele era um paciente que eu nunca imaginaria ter isso. Mas ele morreu naquela noite, e eu levantei a questão: ‘O que deu errado naquele quarto’?”, disse o Dr. Marvin Crawford


+++ A MALDIÇÃO DO CORINGA, COM JOAQUIN PHOENIX, HEATH LEDGER, JACK NICHOLSON E MAIS: