Mulher trans e negra Iyanna Dior é agredida por multidão nos EUA; ativistas LGBTQ+ alertam sobre aumento da violência

O caso de Dior tem sido usado para conscientizar sobre as taxas crescentes de violência contra pessoas trans negras

EJ Dickson, Rolling Stone EUA Publicado em 04/06/2020, às 07h59

None
Iyanna Dior (foto: reprodução/ Facebook)

O vídeo viral do espancamento de uma mulher negra trans chama Iyanna Dior divulgado nesta segunda-feira (01) enfureceu ativistas, dando início a uma série de reivindicações por justiça e conscientização sobre as altas taxas de violência contra mulheres negras transgênero.

Dior, que tem 21 anos, foi atacada por uma multidão em um posto de gasolina da cidade de Minneapolis, Minnesota, supostamente após uma colisão leve entre dois veículos iniciar o tumulto.

+++LEIA MAIS: Afrofuturismo: como essa revolução cultural tomou o mainstream de assalto e chegou inclusive à Marvel com Pantera Negra

A cidade foi assolada por protestos após a morte violenta de George Floyd sob custódia policial na semana passada. Imagens dos ataques, que a Rolling Stone EUA não está publicando, também circulam no Twitter.

Em uma postagem em seu Facebook, Dior disse que precisava de tempo "para processar tudo o que está acontecendo". "Obrigado a todos que tentaram garantir que eu estou bem, vou falar em breve", escreveu ela. Ela também postou seu identificador na plataforma CashApp #NajaBabiie] para os interessados ​​em apoiá-la.

+++LEIA MAIS: Roteirista de Law and Order ameça saqueadores dos EUA com armas, e acaba demitido

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Iyanna Dior. Sis, you’re still standing. I praise and uplift you. I’m sending you the strength of your sisters still standing too — and the ones who no longer could. They deserve rest, and we speak their names too. Iyanna, you are a black trans woman. What a gift! Don’t let nobody tell you otherwise. Sis. I’m sorry. I’m so fucking sorry. They didn’t have to come after you. But they did. There’s no fucking excuse for their brutality, their dangerous ignorance, their fragile masculinity. That shit been killing us. To be brutally attacked and called out your name while a crowd of your brothers and siblings look on....I’m so sorry sis. My heart aches for you. But we got you sis. You’re gonna heal. You rest now. Let us carry what you can’t right now. You deserve rest and peace. We’re showing the fuck up. Our fight for black lives will not be in sacrifice of you or our sisters. We must stop centering cisgender heterosexual men and their needs. We will not ignore the violence some of these men enact on you, our sisters’ and our siblings’ lives. If Black lives matter then Black trans lives should matter as well. We are here. We been here. We need our black cisgender siblings to roll up RIGHT NOW. You ain’t no ally. You are family. We are your family. Speak Iyanna Dior’s name — all our names — just as much as we’ve been screaming yours. We love y’all. We show up for y’all. Now show up for us. #blacklivesmatter #iyannadior #girlslikeus UPDATE: Iyanna’s previous CashApp username $NajaBabiie is not working. She’s verified that her updated CashApp is $IyannaDIO (those are uppercase i). I’d also recommend donating funds to grassroots trans orgs: @tgijustice @mpjinstitute @sylviariveralawproject @youthbreakout @translatinacoalition to name a few.

Uma publicação compartilhada por J A N E T M O C K (@janetmock) em


O espancamento de Dior ocorre logo após o tiroteio policial fatal de Tony McDade, um homem negro de 38 anos de idade em Tallahassee, Flórida, que provocou protestos entre a comunidade LGBTQ+.

Ativistas também chamaram a atenção para o assassinato de Nina Pop, 28 anos, que foi encontrada morta em seu apartamento no Missouri no início do mês passado. Tanto McDade quanto Pop tiveram os gêneros informados de maneira errada pelos departamentos de polícia quando divulgaram informações sobre as mortes.

+++LEIA MAIS: 2 filmes e 3 séries para entender os protestos contra o racismo [LISTA]

Ativistas do LGBTQ+ estão compartilhando a história da Dior nas mídias sociais como parte de um esforço para conscientizar o aumento da violência contra pessoas transexuais negras. De acordo com a Coalizão dos Direitos Humanos, pelo menos 26 pessoas trans ou não-conformistas de gênero foram violentamente mortas apenas em 2019, com a grande maioria das vítimas sendo mulheres trans.

“Essa violência tem que parar. Todos os nossos corações devem doer ao assistir os vídeos dessa jovem trans sendo atingida por um grupo de pessoas. As vidas negras são importantes e incluem vidas negras trans, não-binárias, queer, cis e heterossexuais ”, disse Tori Cooper, diretora de engajamento comunitário da Transgender Justice Initiative da HRC, à Rolling Stone EUA.

+++LEIA MAIS: John Boyega, de Star Wars, faz discurso em protesto Black Lives Matter: ‘Não sei se terei uma carreira depois disso, mas f*da-se’

A escritora Janet Mock também postou uma mensagem apaixonada de apoio à Dior no Instagram, pedindo aos apoiadores do movimento Black Lives Matter que lutem pela vida de mulheres transexuais negras. “Precisamos parar de centrar os homens heterossexuais cisgêneros e suas necessidades. Não ignoraremos a violência que alguns desses homens cometem contra a vida de você, de nossas irmãs e de nossos irmãos. Se as vidas negras são importantes, as vidas negras também são importantes. Estamos aqui. Nós estivemos aqui ”, ela escreveu.


+++ VITOR KLEY | A TAL CANÇÃO PRA LUA | SESSION ROLLING STONE