Música de resistência negra: playlist com hinos de Rage Against the Machine, Beyoncé e mais

A Rolling Stone EUA fez uma lista com canções que honram o legado da resistência negra ao redor do mundo

Suzy Exposito, Rolling Stone EUA Publicado em 08/06/2020, às 14h41

None
Rage Against the Machine (Foto: Amy Harris / Invision / AP) e Beyoncé (Foto: Reprodução)

Ao longo da história mundial, a música serviu como refúgio para aqueles que viveram sob opressão, da mesma forma que serviu como ferramenta de empoderamento. 

A última edição da série Music at Home, da Rolling Stone EUA, traz 12 músicas que honram o legado da resistência negra ao redor do mundo para inspirar tanto os manifestantes dos próximos protestos contra o racismo e a violência policial quanto aqueles que doam dinheiro para instituições que apoiam o movimento. 

Clique aqui para ouvir no Spotify.

Rage Against the Machine - “Killing in the Name Of”

Se alguma coisa boa surgiu da onda de rap-rock dos anos 1990, essa coisa foi o Rage Against the Machine. No clássico de 1992, “Killing in the Name Of”, o líder da banda Zack de la Rochacanta sobre a força policial norte-americana moderna - notavelmente inspirada na patrulhas de escravos de 1800 - como se fosse um representante de um grupo supremacista, como a Ku Klux Klan. 

“Alguns daqueles que estão no poder / São os mesmos que queimam cruzes”, la Rocha cospe com uma fúria inabalável que ressoa até hoje.

+++ LEIA MAIS: Rage Against the Machine é confundida por gótica e adolescentes reclamam em festival; veja


Beyoncé feat. Kendrick Lamar - “Freedom”

No disco visual Lemonade, Beyoncé convida mulheres negras para “entrar em formação”. A  singular Queen Bey se junta ao vencedor do Pulitzer e rapper Kendrick Lamarem “Freedom”, um hino para o movimento negro capaz de preencher 100 estádios de futebol. 

+++LEIA MAIS: Beyoncé, Ariana Grande e Demi Lovato cantam músicas da Disney em especial de quarentena; assista


A Tribe Called Quest - “We the People…”

Não muito depois da morte precoce do co-fundador Phife Dawg, em 2016, o grupo de rap alternativo A Tribe Quest fez uma paródia ácida da missão de Donald Trump “Make America Great Again”, em tradução livre, “Faça os Estados Unidos grandioso novamente”. 

Juntos, Phife e Q-Tip listam os norte-americanos os diversos americanos excluídos dessa missão, mas antagonizados ativamente por ele, entre eles afro-americanos, latinos, muçulmanos, trabalhadores pobres e a comunidade LGBTQ+. “Quando nós temos fome, nós comemos a mesma po*** de comida: O macarrão instantâneo”, diz Q-Tip.

+++ LEIA MAIS: Donald Trump está tentando iniciar uma guerra racial


Jamila Woods -  “Blk Girl Soldier”

Organizadora de Chicago e voz brilhante do R&B, Jamila Woods teve o momento de revelação dela em 2016 com  uma reflexão sobre a experiência da mulher negra sobre kiriarquia (termo para o golpe triplo da supremacia branca, patriarcado e capitalismo). 

“Veja o que eles fizeram para minhas irmãs / No último século, na última semana / Eles fizeram ela odiar a própria pele / Trataram-na como um pecado”.

+++ LEIA MAIS: Qual música de Freddie Mercury foi inspirada no icônico discurso de Martin Luther King?


Joe Arroyo - “La Rebelión”

A luta pelas vidas negras vai muito além da fronteira dos Estados Unidos - e o falecido cantor colombiana de salsa Joe Arroyo dedicou a vida dele para dar visibilidade aos negros na América Latina. 

Na agitação febril de “La Rebelión,” Arroyo conta a história de um homem escravizado que defende a mulher dele dos espanhóis em 1600.


Xenia Rubinos - “Mexican Chef”

Quando as pessoas pensam em resistência, elas pensam em tomar as ruas. A artista cubana e porto-riquenha Xenia Rubinos leva a resistência para dentro das cozinhas de Nova York - enfatizando que seja nas casa ou nos restaurantes, as pessoas de cor frequentemente passam a maior parte do tempo servindo as pessoa brancas, o patrões da elite. 

“Brown - termo para pessoas de cor - passeia com seu bebê / Brown passeia com seu cachorro / Brown criou a América no lugar da mãe dela”, a cantora diz em “Mexican Chef”, um lembrete que, sem o trabalho minucioso das pessoas negras e de cor, os Estados Unidos ia deixar de existir.

+++ LEIA MAIS: 2 filmes e 3 séries para entender os protestos contra o racismo [LISTA]


X-Ray Spex - “Oh Bondage! Up Yours!”

Liderada pela cantora britânica e somali  Poly Styrene, a banda X-Ray Spex deixou a cena londrina de 1970 em chamas com chamados às armas contra o consumismo e a influência dele nos papéis de gênero. 

“Algumas pessoa pensam que garotinhas precisam ser vistas e não ouvidas”, começa Poly. “Mas eu acho… Ah servidão! No seu c*!”.

+++LEIA MAIS: John Boyega, de Star Wars, faz discurso em protesto Black Lives Matter: ‘Não sei se terei uma carreira depois disso, mas f*da-se’


Algiers - “The Underside of Power”

Em “The Underside of Power,” o cantor e compositor Franklin James Fisher e a banda post-punk dele usam a tradição gospel do sul dos EUA e se apoiam no poder espiritual para enfrentar os opressores. 

“Fique forte / A mudança está chegando”, Fisher grita, canalizando a alma de Sam Cooke e a visão de Fred Hampton. “Um dia a mudança virá”.

+++LEIA MAIS: Spike Lee compara cena de filme dele à morte de George Floyd: 'Não vai parar de se repetir?'


Janet Jackson - “Rhythm Nation”

Janet Jackson passou a maior parte dos anos 1980 tentando provar o talento para pop longe dos irmãos - então, em 1989, ela se dedicou à conscientização do novo swing com o disco conceitual Rhythm Nation 1814

“Somos a nação sem fronteiras geográficas, unidos por nossas crenças”, diz Jackson no incrível prelúdio da faixa-título, descrevendo os objetivos libertadores do próprio país imaginário. “Somos como indivíduos com a mesma opinião, compartilhando uma visão comum, se aproximando de um mundo livre das linhas de cores. 

+++ LEIA MAIS: 'This is America', de Childish Gambino, 'Fuck the Police', do N.W.A., e outros hinos antirracistas disparam em audiência com protestos nos EUA


Moor Mother - “After Images”

O vanguardista da Filadélfia Camae Ayewa se junta ao guitarrista Justin Broadrick para construir uma canção de luta de blues industrial. “Eles não querem me ver brilhar / Do começo ao final”, diz Ayewa. “5, 4, 3, 2 / Porque depois que eles vierem atrás de mim, eles irão atrás de você”. 

+++LEIA MAIS: Glória Maria relata racismo em clube carioca: ‘Me sentia como macaco no zoológico’


Run the Jewels feat. Pharrell Williams e Zack de la Rocha - “JU$T”

Provavelmente, é a postura mais radical que você vai ver de Williams na música - é difícil acreditar que esse mesmo cara cantou “Happy”. Mas de la Rocha parece estar em casa batendo na elite com Killer Mike e El-P: “A décima terceira emenda diz que a escravidão foi abolida / Veja todos esses senhores de escravos com seu dólar”.

  +++ LEIA MAIS: Série Atlanta, de Donald Glover, é renovada para quarta temporada, antes mesmo da gravação da terceira


Public Enemy - “Fight the Power”

Embora feito originalmente sob encomenda para o drama de Spike Lee, Faça a Coisa Certa,  “Fight the Power”, do Public Enemy, continua sendo uma obra de protesto de destaque em 2020. 

“Nossa liberdade de discurso é liberdade ou morte / Nós que lutar contra esses poderes”. Também está cheio de história da música negra, em menos de cinco minutos, a música usa samples de lendas como James Brown, Afrika Bambaataa, Trouble Funk, The Dramatics, Branford Marsalis e outros.

+++LEIA MAIS: Os estereótipos nos filmes de Hollywood e por que eles distorcem a visão real do mundo [ANÁLISE]


+++ VITOR KLEY | A TAL CANÇÃO PRA LUA | SESSION ROLLING STONE