"Mutantes Depois"

Canção apresentada por Sérgio Dias e nova banda é viagem de volta aos anos 70

Por Artur Tavares Publicado em 25/04/2008, às 10h31 - Atualizado em 09/05/2008, às 18h39

Ver Galeria
(19 imagens)

Com direito a borboleta gigante estampada na parede da prefeitura de SP por meio de projeção de luz , a banda paulistana Mutantes apresentou à imprensa nesta quinta-feira, 24, sua nova música, "Mutantes Depois". Sérgio Dias (único integrante original do grupo) e sua nova banda ainda deram uma entrevista coletiva, em que evitaram comentar qualquer coisa do álbum que estão preparando. O evento aconteceu no Teatro Municipal de SP.

"Mutantes Depois", primeira música inédita desde o álbum Tudo Foi Feito Pelo Sol, de 1974 (curiosamente, este álbum também só tinha Dias como membro original, tendo sido gravado sem Rita Lee e Arnaldo Baptista, que sairam do grupo em 1973), é uma viagem de volta aos anos 70, durante a efervescência da Tropicália e do rock psicodélico.

Ouça a nova música dos Mutantes no MusiG

Composta sem a ajuda de Tom Zé, agora, o maior parceiro de Dias na criação de novas músicas, "Mutantes Depois" é uma ode àquela geração. Enquanto uma melodia lisérgica toca ao fundo, com guitarras que remetem aos Mutantes de outrora, o integrante remanescente clama "Oh, my babe, aonde você vai, agora que a onda Tropical já se foi. Você é a semente que o mundo nos deu, você é a semente do mundo". Já no segundo verso, continua: "oh, my babe, o que irá fazer, ao chegar o dia em que um Mutante morrer. Você é a semente jogada depois, você é os Mutantes Depois".

A estratégia para este "segundo retorno" dos Mutantes indica que a banda veio para ficar. Além de lançar "Mutantes Depois" para os jornalistas, o grupo colocou, a partir da meia-noite deste dia 25, a música para download gratuito no canal IG Música, para o Brasil; e no prestigioso Pitchfork, para o resto do mundo. Tudo a pouco mais de um dia de sua primeira apresentação com os novos integrantes, que vai acontecer na Virada Cultural, às 3h da madrugada de sábado para domingo.

Sobre dar a música aos fãs, Dias disse à Rolling Stone que "antes de tudo, isso foi feito como uma gratidão imensa a todas as pessoas. Ela é um presente, não é uma coisa com intuitos comerciais. Estamos lançando essa música para mostrar para vocês para onde estamos indo, e qual é nosso rumo, nosso horizonte".

Questionado então se era possível trabalhar todo o novo disco de uma forma alternativa ao lançamento convencional em CD, o Mutante engrossou: "Quem sabe é o nosso departamento de marketing, porque, por sinal, a gente tem que sobreviver".

Ainda que clame por uma juventude que siga os ideais de sua geração, Dias estava com um ar jovial e despreocupado (ele está prestes a completar 57 anos). Na entrevista, não escondeu a felicidade em tocar com este novo grupo: "nós nos amamos". Tom Zé, na platéia, recebeu uma salva de palmas após ser ovacionado pelo Mutante. Antes, na audição, o líder estava seguro para tocar a "Mutantes Depois", mas deixou escapar um pensamento alto no microfone, bem no início da canção: "Agora não tem mais volta!".

Também evitou respostas sobre Rita Lee, Zélia Duncan (vocalista desde a volta do grupo, em 2006) e Arnaldo Baptista (os dois últimos sairam do grupo no final do ano passado). Quando questionado o porquê de seu irmão deixar mais uma vez a banda, respondeu rispidamente: "Você tem que perguntar para a Lucinha", se referindo à esposa de Baptista.

Mesmo assim, não se cansava de repetir que "as portas estão abertas para Arnaldo e Rita, se eles quiserem voltar". O baterista Dinho Leme, que toca com a banda desde os anos 70, ainda chegou a dizer "é possível que o Arnaldo toque algumas músicas com nós".

A audição dos novos Mutantes ainda contou com outras três músicas. "Numa pessoa só", "Tecnicolor" e "Baby" mostraram uma cozinha consistente. Agora, ela é formada por Vinicius Junqueira, baixo; Dinho Leme, na bateria, e Vitor Trida, teclados, guitarras, violões, cello, flautas e vocais - e muito ligada ao rock. Sobre isso, Arnaldo comentou na entrevista que gostava mais desta sonoridade do que da anterior, mais puxada para a MPB.

Já a vocalista Bia Mendes, que anteriormente fazia backing vocal para a Rita Lee, entre outros trabalhos, deixou a desejar, principalmente quando sua voz se fez mais necessária, em "Baby". Ela escorregou na afinação e no tempo da música, mas em "Mutantes Depois", esbanjou risadas estridentes e uma voz muito potente, que acompanhou Dias com a mesma segurança do mais antigo Mutante.

Apenas como curiosidade, na hora em que esta matéria foi finalizada (2h30 de sexta-feira), a visita da reportagem ao Pitchfork contabilizava a 682ª vez em que "Mutantes Depois" foi tocada (ou baixada) por usuários de todo o mundo.

A próxima apresentação dos Mutantes acontece na Virada Cultural, em São Paulo. Após o compromisso, voltam ao estúdio até julho, data em que pretendem finalizar o disco.

Mutantes na Virada Cultural - 27/04 - 3h

Palco São João - Av. São João com Rua Aurora. Centro, SP.

Entrada Franca