Namorada de Conrad Murray confirma ter recebido drogas em seu apartamento

Nicole Alvarez revelou, durante julgamento, ter recebido 255 frascos do sedativo Propofol, que levou Michael Jackson à morte

Matthew Perpetua Publicado em 05/10/2011, às 13h44 - Atualizado às 17h24

Conrad Murray
AP

De acordo com um testemunho feito na última terça, 4, durante o julgamento de Conrad Murray, médico que é acusado da morte de Michael Jackson, o doutor teria enviado embalagens do poderoso sedativo Propofol à casa de sua então namorada, enquanto cuidava do cantor. Jackson morreu no dia 25 de junho de 2009 de uma overdose de Propofol e outros sedativos.

Leia textos das edições anteriores da Rolling Stone Brasil – na íntegra e gratuitamente!

A promotoria contou aos jurados que Murray recebeu 255 frascos de Propofol no apartamento de Nicole Alvarez. Nicole, que aparentava impaciência e irritabilidade no testemunho, admitiu ter recebido a drogas “costumeiramente” enquanto Murray trabalhava para o Rei do Pop.

Tim Lopez, proprietário da Applied Pharmacy em Las Vegas, contou ao júri que destinou 255 frascos para o apartamento de Nicole em Santa Mônica, após Murray tê-lo informado que aquele era o endereço de seu escritório médico na Califórnia. Murray não tem um escritório médico no Estado.