Nana Caymmi chama Chico, Caetano e Gil de comunistas c***** do Lula

Por questões políticas, ela também não pretende mais fazer shows na Bahia: "não tem nada, é PT"

Redação Publicado em 29/03/2019, às 09h17

None
Chico Buarque (Foto:Mariana Vianna/Divulgação)

A cantora carioca Nana Caymmi faz 78 anos nesta sexta, 29, e decidiu comemorar seu aniversário com polêmica. Em entrevista à Folha de S.Paulo, ela falou sobre seus próximos lançamentos, defendeu o presidente Jair Bolsonaro e ainda deu sua opinião sobre o posicionamento político dos colegas da MPB Chico Buarque, Gilberto Gil e Caetano Veloso.

Sobre o cenário atual da política nacional, ela apresenta um discurso que exemplifica perfeitamente a polarização que predomina nos dias de hoje. "É injusto não dar a esse homem um crédito de confiança. Um homem que estava fodido, esfaqueado, correndo pra fazer um ministério, sem noção da mutreta toda... Só de tirar PMDB e PT já é uma garantia de que a vida vai melhorar", disse sobre o presidente eleito.

Quanto à oposição a Bolsonaro, ela não guarda ressalvas: "Agora vêm dizer que os militares vão tomar conta? Isso é conversa de comunista. Gil, Caetano, Chico Buarque. Tudo chupador de pau de Lula. Então, vão pro Paraná fazer companhia a ele. Eu não me importo."

A cantora deixou claro que, por questões políticas, não pretende mais fazer shows na Bahia. Segundo ela, lá "não tem nada, é PT".

Ela também diz ter ficado indignada quando descobriu que as netas gostavam de pagode, mais especificamente do cantor Belo, e afirmou sua decepção com o caminho seguido pela sobrinha, Alice Caymmi, que faz música pop.

Em um post no Facebook, Alice respondeu às críticas da tia: "Nunca pedi aprovação de ninguém, nunca pedi ajuda, nunca pedi um real, mas decido exigir respeito. Não concordo em nenhuma instância com o que pessoas que compartilham meu sangue pensam e fazem."

Sem lançar nada desde 2009, Nana retorna com dois novos discos. Nana Caymmi Canta Tito Madi, lançado nesta sexta, 29, pela gravadora Biscoito Fino, e outro em que cantará músicas de Tom Jobim acompanhada por orquestra, que deve começar a gravar no próximo dia 15.

Os trabalhos serão um tipo de despedida, já que ela quer se recolher para viver tranquilamente os próximos anos. Mas, sobre o patrimônio que acumulou durante sua carreira, ela garante que vai "torrar o dinheiro. Até eu morrer torro essa porra toda. Minhas filhas que se fodam."