Netflix é processada por dar ‘sentimentos demais’ a Sherlock Holmes em filme com Millie Bobby Brown

Filme da irmã do personagem deve estrear na plataforma ainda neste ano

Redação Publicado em 26/06/2020, às 10h00

None
Millie Bobby Brown em Enola Holmes (Foto: Divulgação/Netflix)

Enola Holmes, longa da irmã de Sherlock Holmes protagonizado por Millie Bobby Brown, é um dos filmes que promete ter bastante destaque na Netflix ainda neste ano. No entanto, a produção já está envolvida em polêmica, porque os representantes do espólio do autor Arthur Conan Doyle, autor dos livros do personagem, processaram a plataforma por dar "sentimentos demais" ao detetive. A informação é do The Verge.

O filme é baseado em Os Mistérios de Enola Holmes, série literária escrita por Nancy Springer. Na obra, Enola é uma garota de 14 anos, 20 anos mais nova que o irmão Sherlock, interpretado por Henry Cavill na adaptação. 

+++LEIA MAIS: Raio-X: como Dark superou as previsões, desbancou Stranger Things e é maior sucesso da Netflix mesmo com trama complexa de viagem no tempo [ANÁLISE]

Não é de hoje a disputa dos representantes do espólio de Arthur Conan Doyle por direitos aos livros de Sherlock Holmes. Em 2014, por exemplo (via UOL), casos ligados com os detentores de direitos das criações do autor obtiveram diversas derrotas na Justiça dos Estados Unidos. Já em 2015, como informa o The Verge, a Miramax foi processada, como acontece atualmente com a Netflix, por Sr. Sherlock Holmes.

Existe uma grande confusão em relação a esses direitos, porque parte do trabalho de Doyle é de domínio público, enquanto outra não é. Advogados desses representantes afirmam, de acordo com o The Verge, que traços emocionais de Sherlock Holmes não foram respeitados, porque ele está, no filme da Netflix, "sentimental demais", assim como respeita mulheres.

+++LEIA MAIS: Keanu Reeves foi odiado, vaiado e atingido por frutas em show com banda no Glastonbury

"Depois das histórias de domínio público e antes das com direitos autorais, aconteceu a 1ª Guerra Mundial. Nela, Doyle perdeu seu filho e seu irmão", argumentaram os detentores do espólio de Arthur Conan Doyle. "Quando ele volta a Holmes, nas histórias com direitos autorais de 1923 a 1927, já não era suficiente que o personagem fosse só brilhantemente racional e com uma mente analítica".

Além disso, para eles, "Holmes precisava ser humano. O personagem precisou de um desenvolvimento humano de conexão e empatia".

+++LEIA MAIS: 7 teorias que fariam o final de Game of Thrones ser muito, muito, muito melhor do que o original [LISTA]

Mesmo sem a confirmação da Netflix, o processo também cita que Enola Holmes deve estrear em agosto deste ano na plataforma.


+++ A PLAYLIST DO SCALENE