Netflix sobre proibição do Especial de Natal do Porta dos fundos: "a verdadeira censura"

O especial de Natal do Porta dos Fundos foi proibido na última quarta, 8, pela Justiça do RJ

Redação Publicado em 09/01/2020, às 17h59 - Atualizado às 18h44

None
Fábio Porchat e Gregório Duvivier em A Primeira Tentação de Cristo (Foto: Reprodução)

Na última quarta, 8, a Justiça do Rio de Janeiro determinou em decisão liminar(provisória) que a Netflix deveria retirar do ar o especial de Natal do Porta dos Fundos - resposta ao pedido de uma associação católica anteriormente negado em primeira instância. Nesta quinta, 9, a produtora recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para pedir a liberação do episódio. 

+++LEIA MAIS: Justiça do RJ determina que Especial de Natal do Porta dos Fundos seja retirado do ar

O especial de Natal A Primeira Tentação de Cristo gerou polêmicas e um ataque à bomba na sede do Porta dos Fundos desde o lançamento. Um dos motivos do debate foi o programa ter apresentado Jesus gay. No requerimento ao STF, a Netflix disse: "a decisão proferida pelo TJ-RJ tem efeito equivalente ao da bomba utilizada no atentado terrorista: silencia por meio do medo e da intimidação".

Na liminar, o desembargador Benedicto Abicair, da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, defendeu que o direito à liberdade de expressão, imprensa e artística não é absoluto - argumento debatido pela Netflix.

+++ LEIA MAIS: Mais polêmica? Porta dos Fundos fará novo especial de Natal para a Netflix

"As decisões reclamadas, caso mantidas, têm o condão de causar um efeito silenciador no espectro da liberdade de expressão sobre outros conteúdos”, argumentou a produtora.

A Netflix, que considera a ação da Justiça do RJ censura, também falou sobre as consequências da liminar: “A verdade é que a censura, quando aplicada, gera prejuízos e danos irreparáveis. Ela inibe. Embaraça. Silencia e esfria a produção artística”.

+++ LEIA MAIS: Deputado se revolta com Jesus gay em especial de Natal da Netflix: "Chacota à fé"

No Twitter, a Netflix escreveu: "Sobre o especial do Porta dos Fundos: apoio fortemente a expressão artística e vou lutar para defender esse importante princípio, que é o coração de grandes histórias".


+++ CORUJA BC1: 'FAÇO MÚSICA PARA SER ATEMPORAL E MATAR A MINHA PRÓPRIA MORTE'