NFT: como o futuro da venda da arte chegou no Brasil e porque conhecer novo modelo milionário de negócios

Non-Fungible Tokens, ou Tokens Não-Fungíveis, devem mudar o modo de consumo da arte - e André Abujamra e Uno de Oliveira entenderam nova tendência de negócios

Yolanda Reis | @_ysreis Publicado em 06/03/2021, às 10h00

None
Frame de Coelhék, obra plástica de Uno de Oliveira e música de André Abujamra

O que faz da Monalisa a Monalisa? Simples. É a própria Monalisa.

Não importa o quanto você queira, ou tente, ou pense. É insubstituível. A Monalisa é única. Assim como a Última Ceia, Noite Estrelada, ou Abaporu… Cada peça é una, original, tangível por si só e incomparável a qualquer outra.

+++ LEIA MAIS: Grammy 2021: Conheça os indicados da categoria Melhor Álbum de Rock [LISTA]

Agora… E uma edição em LP de “Twist And Shout”, a famosa música dos Beatles? Ou uma cópia em CD de  ...Baby One More Time, da Britney Spears? Os trabalhos são únicos, mas a arte tangível, não. Você pode trocar uma unidade de disco por outra - ao contrário de uma Monalisa. Você não a trocará por outra Monalisa.

Tudo isso é para explicar um conceito que você vai ouvir muito falar em breve: NFT, ou Non-Fungible Token. Traduzido: Token Não-Fungível. Explicado: produto criptográfico (praticamente digital) único, não comparável a outro, de existência exclusiva e não “trocável.” É a nova forma de vender arte online.

+++ LEIA MAIS: O dia em que Elvis Presley tomou vacina na TV para incentivar fãs [FLASHBACK]

Cada vez mais, e de repente, os NTF fazem parte da venda de arte online. Partiu da arte plástica e visual. Ou crypto art (de criptograma, códigos de números feitos ciberneticamente). Popularizou rapidamente. E criaram-se sites especiais para venda.

Agora, chegou na música. Se antes criava-se uma faixa e ela podia ser comprada por quem quisesse, agora, as melodias começam a se tornar NFT. Peças únicas e intransferíveis. O único dono é quem compra primeiro. Ele paga em criptomoedas e recebe um código digital único correspondente à peça em um acordo totalmente digital. Esses códigos são armazenados em “galerias” digitais específicas.

+++ LEIA MAIS: De volta ao rock alternativo, Kings of Leon redescobre a identidade em When You See Yourself [REVIEW]

Nos EUA, há dois exemplos frescos: Grimes e Kings of Leon. Ela fez 10 peças de arte únicas e as vendeu em leilão - um vídeo saiu por US$ 389 mil. Já a banda inovou ao lançar um disco no formato. When You See Yoursel(2021) foi vendido em uma plataforma especial como token e dava direito a “pedaços” especiais, como vinis, passeios ou ingressos. Como uma edição especial-limitada-de-colecionador de discos tradicionais. Mas online. Cada token é um, cada cópia do disco a própria Monalisa.

Então, só para resumir: um NFT é uma peça de arte única e digital, vendida no blockchain com moedas cripográficas. O valor real dela é único - o código dela é apenas dela. E isso traz, pela primeira vez, o valor mais “clássico” da arte para o mundo digital.

+++LEIA MAIS: Elvis Presley proibiu peixes em Graceland e comeu a mesma refeição por seis meses; entenda

O pioneiro sonoro BR

André Abujamra vendeu, nessa semana, o que deve ser o primeiro NFT musical brasileiro. Foi em parceria com Uno de Oliveira, artista plástico “calejado” em crypto art. Os dois são os orgulhosos criadores do duo animação-e-música Coélhek. É a primeira parte de uma produção de oito tokens, todos com um assunto em comum: o valor do neurônio.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Uno de Oliveira (@uno_arte)

 

Em entrevista à Rolling Stone Brasil, André e Uno explicaram como, em um bate papo sobre NFT por meio do app Clubhouse, resolveram se unir para encontrar uma maneira de expandir a própria arte e combinar as ideias para trazer tudo para o Brasil. O caminho foi uma reunião de ideias para serem vendidas - e, principalmente, valorizadas -  juntas.

+++ LEIA MAIS: Fã de violão? Conheça a ZapMusic, plataforma brasileira exclusiva para violonistas

“Existem zilhões de artistas digitais," comentou Uno. "Para ganhar dinheiro na internet, precisa postar arte, se divulgar, pegar um freela, trabalhar em agência… Mas ganha muito pouco.” Para ele, a cryptoart é uma maneira de, pela primeira vez, dar renome a arte digital da mesma maneira como a clássica é apreciada. “Somos valorizados pela primeira vez! Agora, existe um mercado de colecionador. É muito disruptivo do ponto de vista do artista.”

A venda de NFT como arte abriu portas para artistas expostos na internet há muito tempo. A valorização da arte como arte, como produto tangível, retorna a possibilidade há muito um pouco desesperançosa para o mundo dos pixels e códigos binários: fazer dinheiro.

+++ LEIA MAIS: Gilberto Gil dá aula de violão no YouTube; aprenda a tocar 'Esotérico', 'Refazenda' e mais

Isso começou como tendência visual, e migrou para auditiva. Assim como o pioneirismo da Grimes, André Abujamra percebeu o potencial de, depois de muito tempo em streaming e digitalidades, ganhar dinheiro com o prestígio musical:

“Olha o meu caso: meu último disco, Emidoinã [2020]. Tinha mais de 20 mil visualizações, e o dinheiro recebido pelas plataformas foi ridículo. Pensei: ‘tem algo errado.’ Só o dinheiro que recebi do meu trampo com o Uno - chamo de Unoabu… Em uma noite, ganhei mais que seis meses nas plataformas!”

+++ LEIA MAIS: 25 anos do fim de Mamonas Assassinas: relembre as participações marcantes da banda na televisão brasileira

+++ SIGA NOSSO SPOTIFY - conheça as melhores seleções musicais e novidades mais quentes

Como vender?

Para vender uma NTF, é preciso entrar em uma galeria especializada no blockchain, a troca comercial de criptomoedas, e gerador de contratos para venda de cada um desses tokens. É um caminho árduo e disciplinado e o convite para uma comunidade quase exclusiva. No caso de Uno, foi assim:

“Meu amigo me mostrou isso em dezembro. Não dei bola no começo, e acabei perdendo um mês. Mas aí, já investia em criptomoeda, e percebi como poderia vender arte e ganhar assim. Era um super negócio. Comecei a entender. Isso no final de dezembro, não tinha nada na internet. Precisávamos desbravar.”

+++ LEIA MAIS: 7 anos sem Eduardo Coutinho: 7 documentários emocionantes para relembrar o melhor do cineasta brasileiro [LISTA]

Mas acabou esclarencido: é possível, sim, vender a própria arte em criptomoedas. “Existem vários sites. Alguns precisam de convites, outros não. Comecei a postar nos abertos, me inscrevia, como uma galeria de artes, mesmo.”

Existem, também, os ambientes “nata.” Galerias nas quais você é inscrito, questionado, futricado, analisado ao extremo, até ser aceito e poder entrar. É o caso da Makersplace, onde Uno e André venderam as próprias artes. Quando você entra, é um alívio: “Lá tem colecionadores, gente vendo sua arte, um fluxo grande de dinheiro rodando. É interessante, todo mundo agora quer entrar… Mas é difícil!”

+++ LEIA MAIS: Além de Alok: 5 fenômenos da música eletrônica brasileira [LISTA]

Lá dentro, no Makersplace, tudo acontece rápido, como percebeu um surpreso Abujamra. “Fiz essa música para o Uno. De repente, fui lá no site dele. Tinha uma oferta de US$ 600 para um quadro dele [cerca de R$ 3,4 mil]. [...] Depois, aumentou para US$ 1,5 mil, de madrugada, o cara destruiu! Alguém do Canadá comprou. No dia seguinte, me deu uma porcentagem. Fui olhar minha conta e ganhei mais de US$ 500!”

(Vale lembrar que, no blockchain, câmbio de valores de moedas criptografadas, o valor não é, oficialmente, o dólar. No caso do Makersplace, as NTF são vendidas em Ethereum. A criptomoeda mais conhecida, hoje, é o bitcoin).

+++ LEIA MAIS: Skate, rap, hardcore, subcultura: Felipe Flip e a união com a Vans Brasil [ENTREVISTA]

O futuro

Tanto André quanto Uno veem no NFT o futuro da venda de artes. Principalmente pelo modo como propõe-se: criptomoedas. “É facilitado,” acredita Uno. “Nesse universo, um bem descentralizado, sem ser gerido por uma grande corporação, essas transações são mais fáceis. Um universo de compra e venda de arte digital através de contatos inteligentes do blockchain.”

[Colocar ALT]
André Abujamra Foto: Marcelo Macauê

Então, com compras mais fáceis, a venda também é mais fácil, e a “rotatoriedade” dessas obras faz o potencial de valor aumentar. “Alguém compra minha arte por US$ 1 mil, e esse colecionador pode vender para outas pessoas por US$ 2 mil, US$ 4 mil... “

+++LEIA MAIS: Aos 78 anos, Gilberto Gil entra no TikTok para apoiar causa nobre; veja

As possibilidades para isso são, literalmente, o mundo inteiro, acredita André. Questionado se a compra exclusiva pode impedir a popularidade do artista, argumentou: “Muito pelo contrário! É uma disseminação maravilhosa para o planeta todo. Quem comprou a obra do Uno é do Canadá. De repente, um japonês compra minha música. É bem legal.”

Assustador? Um pouco, admite. “Tudo novo assusta. Mas depois, se conformam. Tudo vem para revolucionar, assim como a criptomoeda. E o NFT.”

+++LEIA MAIS: Gilberto Gil publica foto com os 10 netos e desabafa sobre saudade na pandemia

As obras dos artistas

Esta semana, Coélhek abriu as portas do NFT musical no Brasil. A obra é uma animação de Uno com uma música de Abujamra, e busca explorar a cultura do país. O próprio nome é um jogo cultural: brinca com "coé, lék", contração carioca de um "qual é, moleque." Quase um "como vai," para os conversavores.

Ganhou nome de Coélhek e formato de brasileiro: "É um moleque da favela," explicou Uno. "Um traficante por falta de opção na vida. No fundo, é um cara com coração pulsante, porém vazio."

+++ PLAYLIST: 12 músicas essenciais na cultura brasileira - mas censuradas durante a ditadura militar 

É o primeiro de oito volumes da coleção TROPICALFUTURISM, parceria dos artistas. Cada NFT terá uma música de divididas em 1 minuto e 75 milésimos de segundo, totalizando 8’6”. E todas obras trataram do país. Como publicou Uno no Instagram: 

"A cultura dos povos latimoamericanos é ligada a crenças, miscigenação de ancestrais indígenas e africanos. Hoje somos futurotropicalistas ou tropical futuristas. Heróis de uma sobrevivência na crença de um futuro melhor."

+++ LEIA MAIS: Para se distrair: 7 filmes mais leves do que a realidade do Brasil [LISTA]

Todas as NFT de Uno e André estarão disponíveis no Makersplace do artista plástico. Lá, há a exposição de diversas cryptoarts dele.


+++ HAIKAISS: 'O TRAP TAMBÉM PASSA UMA MENSAGEM CONSCIENTE' | ENTREVISTA | ROLLING STONE BRASIL