No segundo show nesta edição do Rock in Rio, Titãs privilegia repertório mais pesado

Grupo se apresentou ao lado do Xutos & Pontapés, banda portuguesa formada há mais de 30 anos, no palco Sunset

Stella Rodrigues, do Rio de Janeiro Publicado em 03/10/2011, às 00h55 - Atualizado às 02h04

Titãs e Xutos e Pontapés fecharam o line-up de shows do Palco Sunset neste domingo, 2, no Rock in Rio. A banda paulista começou a apresentação com "Diversão".

Ver Galeria
(3 imagens)

O Titãs foi a penúltima atração do palco Sunset no Rock in Rio 2011. Ou melhor, uma delas. O grupo, que se apresentou ao lado do Paralamas do Sucesso no primeiro dia de festival, para abrir o palco Mundo, agora integrou o projeto de encontros promovidos pelo evento, fazendo show ao lado dos portugueses do Xutos & Pontapés, pouco conhecidos por aqui, mas muito famosos em sua terra e com mais de 30 anos de existência.

Apesar de não ser a primeira performance do Titãs nesta edição do evento, o show nem de longe lembrou um repeteco. Se o foco do repertório e o clima mais leve da abertura foram de senso histórico e lembrando a importância das atrações para o rock nacional, nesta segunda ocasião, aproveitando o tipo de som dos portugueses, os Titãs optaram, em geral, pelos hits mais pesados e de temática engajada para essa segunda subida ao palco.

A performance começou com “Diversão”, música da atração nacional. Depois, foi a vez dos convidados mostrarem seu trabalho com a faixa “Dados Viciados”. "Esses caras escreveram a história do rock em Portugal", disse Paulo Miklos para apresentar os colegas de palco.

As bandas seguiram com “Polícia” (Titãs), “À Minha Maneira” e “Não Sou o Único”, ambas dos europeus. Mas foi com as brasileiras “Bichos Escrotos” e “Porrada” que as pessoas se empolgaram de verdade, abusando das rodas de bate-cabeça.

Seguindo o clima politizado da performance, Miklos fez um discurso sobre não votar em quem não se confia. A noite ainda traria os sucessos dos Titãs “Flores” e “Cabeça Dinossauro”, além de um trecho de “Eu Nasci Há Dez Mil Anos Atrás”, de Raul Seixas, que já havia sido homenageado na mesma noite, com o Detonautas Roque Clube.